sábado, 26 de maio de 2018

Diagnóstico diferencial em Doença Celíaca


Ester Benatti
Secretária executiva da Fenacelbra
Vice-presidente da ACELBRA-RS

O diagnóstico de doença celíaca só é fechado depois que a dieta sem glúten for instituida e os sintomas melhorarem e houver recuperação das vilosidades do intestino delgado.

Ha outras doenças que causam atrofia vilosa. Elas precisam ser descartadas.

É preciso descartar outras doenças quando os sorologicos estão negativos. Mas acima de tudo a dieta sem glúten precisa funcionar para ser confirmada a Doença Celíaca.

Diagnóstico correto é o que todos nós queremos.
Nem tudo é Doença Celíaca, mas muita coisa pode ser!

Muitos médicos usam os parâmetros elencados pelo Dr. Alessio Fasano, sendo necessário positivar em 4 deles para fechar o diagnóstico:
1- sintomatologia classica
2- genético positivo (HLA)
3- sorologia positiva
4- biópsia de duodeno positiva
5- dieta fazendo efeito na normalização do quadro.

Mas nas situações em  que só se tem:
- sintomas
- biópsia  de duodeno positiva

É preciso pensar em diagnóstico diferencial, descartar outras doenças, testar outros alimentos e tentar uma dieta sem glúten por 6 meses e repetir endoscopia. Quando existe atrofia de vilosidades as enzimas digestivas ficam prejudicadas e a digestão se atrapalha.

Indicação de leitura:
"Not All That Flattens Villi Is Celiac Disease: A Review of Enteropathies"
Claire L. Jansson-Knodell, Isabel A. Hujoel, Alberto Rubio-Tapia,  Joseph A. Murray
https://www.mayoclinicproceedings.org/article/S0025-6196(17)30892-3/fulltext

Exames para Diagnóstico de Doença Celíaca

Fonte: FENACELBRA (Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil)

Para realizar o exames é necessário estar ingerindo glúten diariamente nos últimos 2 meses. 

SANGUE 
Dosagem da imunoglobulina IgA 
Anticorpo antitransglutaminase IgA e lgG 

Também podem ser pedidos estes anticorpos: 
Anticorpo antiendomísio lgA e lgG 
Anticorpo antigliadina lgA e lgG 
Anticorpo antigliadina Deaminada lgA e lgG  

EXAME ENDOSCÓPICO 
Endoscopia Digestiva Alta com biópsia do intestino delgado*. 

*Mínimo de 6 amostras do bulbo duodenal, segunda e terceira porções. 0 laudo deverá vir com a classificação na Escala de Marsh, relação vilosidade/cripta e contagem de linfócitos intraepiteliais.

PELE - nos casos de suspeita de Dermatite Herpetiforme
Biópsia de pele (lesão) - Imunofluorescência direta de pele



ALGORITMO - DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL - DOENÇA CELÍACA
ATROFIA VILOSITÁRIA
MAYO CLINIC


Salve a imagem em tamanho original aqui:
https://www.riosemgluten.com.br/algoritmo-mayo-clinic



quarta-feira, 23 de maio de 2018

O que realmente está por trás da "sensibilidade ao glúten"?



Kelly Servick
www.sciencemag.org

Tradução: Google | Adaptação: Raquel Benati


Os pacientes não estavam malucos - Knut Lundin tinha certeza disso. Mas a doença deles era um mistério. Eles estavam convencidos de que o glúten estava deixando-os doentes. No entanto, eles não tinham doença celíaca, uma reação autoimune ao emaranhado de proteínas no trigo, na cevada e no centeio. E eles também testaram negativo para uma alergia ao trigo. Eles ocupavam uma terra de ninguém na medicina.

Cerca de uma década atrás, gastroenterologistas como Lundin, da Universidade de Oslo, se depararam com mais e mais desses casos enigmáticos. "Eu trabalhei com doença celíaca e glúten por muitos anos", diz ele, "e então veio essa onda". Opções sem glúten começaram a aparecer nos cardápios dos restaurantes e nas prateleiras das mercearias. Em 2014, somente nos Estados Unidos, estima-se que 3 milhões de pessoas sem doença celíaca haviam descartado o glúten. Era fácil supor que as pessoas que diziam ser "sensíveis ao glúten" estavam ligadas a um modismo alimentar.

"Geralmente, a reação do gastroenterologista era dizer: 'Você não tem doença celíaca ou alergia ao trigo. Tchau!'", diz Armin Alaedini, imunologista da Universidade de Columbia. "Muitas pessoas pensaram que isso talvez estivesse ligado a alguma outra sensibilidade alimentar, ou fosse coisa da cabeça das pessoas".

Mas uma pequena comunidade de pesquisadores começou a procurar por uma ligação entre os componentes do trigo e os sintomas dos pacientes - geralmente dor abdominal, inchaço e diarreia, e às vezes dores de cabeça, fadiga, erupções cutâneas e dores articulares. O fato de que o trigo realmente pode adoecer pacientes não-celíacos é agora amplamente aceito.

Conforme os dados foram se acumulando, surgiram 2 campos diferentes de pesquisas: 
  • Alguns pesquisadores estão convencidos de que muitos pacientes tem uma reação imune ao glúten ou a outra substância no trigo - uma doença ainda nebulosa, às vezes chamada de sensibilidade ao glúten não-celíaca (SGNC).

  • Outros acreditam que a maioria dos pacientes está realmente reagindo a um excesso de carboidratos mal absorvidos presentes no trigo e em muitos outros alimentos. Esses carboidratos - chamados de FODMAPs, oligossacarídeos fermentáveis, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis - podem causar inchaço quando fermentam no intestino. Se os FODMAPs forem os principais culpados, milhares de pessoas podem estar em dietas sem glúten com o apoio de seus médicos e nutricionistas, mas sem uma boa razão.


Essas teorias concorrentes estiveram em exibição em uma sessão sobre sensibilidade ao trigo em um simpósio sobre doença celíaca realizado em Columbia, em março desse ano. Em conversas consecutivas, Lundin defendeu os FODMAPs e Alaedini defendeu ma reação imunológica. Mas em uma ironia que ressalta o quão confuso o campo se tornou, ambos os pesquisadores começaram suas buscas acreditando em algo completamente diferente.

Doenças relacionadas ao trigo conhecidas têm mecanismos e marcadores claros. Pessoas com doença celíaca são geneticamente predispostas a desenvolver uma resposta imune autodestrutiva quando um componente do glúten chamado gliadina penetra seu revestimento intestinal e libera células inflamatórias contra o tecido. Pessoas com alergia ao trigo respondem às proteínas do trigo produzindo uma classe de anticorpos chamada imunoglobulina E (IgE), que pode causar vômito, coceira e falta de ar. O enigma, tanto para os médicos quanto para os pesquisadores, são os pacientes que não têm os anticorpos reveladores e os danos visíveis em seus intestinos, mas sentem um alívio real quando cortam os alimentos que contém glúten.

Alguns médicos começaram a aprovar e até recomendar uma dieta sem glúten. "Em última análise, estamos aqui não para fazer ciência, mas para melhorar a qualidade de vida", diz Alessio Fasano, um gastroenterologista pediátrico do Hospital Geral de Massachusetts, em Boston, que estudou a SGNC e escreveu um livro sobre viver livre de glúten. "Se eu tiver que jogar ossos no chão e olhar a lua para fazer alguém se sentir melhor, mesmo que eu não entenda o que isso significa, eu farei isso."

Como muitos médicos, Lundin acredita que (dietas da moda e crenças alimentares à parte) alguns pacientes têm uma doença real relacionada ao trigo. Seu grupo ajudou a dissipar a noção de que a SGNC era puramente psicossomática. Eles pesquisaram pacientes por níveis incomuns de sofrimento psicológico que poderiam se expressar como sintomas físicos. Mas as pesquisas não mostraram diferenças entre esses pacientes e as pessoas com doença celíaca, relatou a equipe em 2012. Como Lundin disse: "Sabemos que eles não são loucos".

Ainda assim, os céticos temiam que o campo tivesse se apoderado do glúten com evidências instáveis ​​de que ele era o culpado. Afinal, ninguém come glúten isoladamente. "Se não soubéssemos sobre o papel específico do glúten na doença celíaca, nunca teríamos pensado que o glúten era responsável pela SGNC", diz Stefano Guandalini, um gastroenterologista pediátrico do Centro Médico da Universidade de Chicago, em Illinois. "Por que culpar o glúten?"

Os defensores da SGNC geralmente reconhecem que outros componentes do trigo podem contribuir para os sintomas. Em 2012, um grupo de proteínas do trigo, centeio e cevada, chamadas inibidores da amilase tripsina, surgiu como um infrator em potencial, por exemplo, depois de uma equipe liderada pelo bioquímico Detlef Schuppan da Universidade Johannes Gutenberg Mainz na Alemanha (então na Harvard Medical School em Boston). relatarem que essas proteínas podem provocar as células imunes.

Mas sem marcadores biológicos para identificar pessoas com SGNC, os pesquisadores confiaram em sintomas autorrelatados medidos através de um "desafio de glúten": os pacientes avaliam como se sentem antes e depois de cortar o glúten. Em seguida, os médicos reintroduzem o glúten ou um placebo - idealmente disfarçados em pílulas ou lanches indistinguíveis - para ver se os sintomas aparecem.

Alaedini recentemente atingiu um conjunto mais objetivo de possíveis marcadores biológicos - para sua própria surpresa. "Eu entrei completamente como um cético", diz ele. Ao longo de sua carreira, ele gravitou no sentido de estudar os transtornos do espectro, nos quais diversos sintomas ainda precisam ser unidos sob uma clara causa biológica - e onde a desinformação pública é abundante. Sua equipe publicou um estudo em 2013, por exemplo, que desmentiu a popular sugestão de que crianças com autismo tinham altas taxas de doença de Lyme. "Eu faço estudos onde há um vazio", diz ele.

Na SGNC, Alaedini viu outro distúrbio do espectro mal definido. Ele aceitou que pacientes sem doença celíaca poderiam, de alguma forma, ser sensíveis ao trigo, com base em vários estudos que mediram os sintomas após um desafio cego. Mas ele não estava convencido por estudos anteriores, alegando que os pacientes com SGNC eram mais propensos do que outras pessoas a ter certos anticorpos para gliadina. Muitos desses estudos não tinham um grupo de controle saudável, diz ele, e contavam com kits de anticorpos comerciais que davam leituras obscuras e inconsistentes.

Em 2012, ele contatou pesquisadores da Universidade de Bolonha, na Itália, para obter amostras de sangue de 80 pacientes que sua equipe havia identificado como sensíveis ao glúten com base em um desafio com glúten. Ele queria testar as amostras em busca de sinais de uma resposta imune única - um conjunto de moléculas de sinalização diferentes daquelas encontradas no sangue de voluntários saudáveis ​​e pacientes celíacos. Ele não estava otimista. "Eu pensei que se nós estivéssemos vendo algo, como com muitas condições de espectro onde olhei, veríamos pequenas diferenças."

Os resultados chocaram-no. Em comparação com pessoas saudáveis ​​e celíacas, esses pacientes apresentavam níveis significativamente mais altos de uma determinada classe de anticorpos contra o glúten, o que sugere uma resposta imune sistêmica de curta duração. Isso não significa que o próprio glúten esteja causando a doença, mas a descoberta sugeriu que a barreira do intestino desses pacientes pode estar com defeito, permitindo que o glúten parcialmente digerido saia do intestino e interaja com as células do sistema imunológico no sangue. Outros elementos - como bactérias que provocam a resposta imune - também podem estar escapando. Com certeza, a equipe encontrou níveis elevados de duas proteínas que indicam uma resposta inflamatória às bactérias. E quando 20 dos mesmos pacientes passaram 6 meses com uma dieta isenta de glúten, os seus níveis sanguíneos desses marcadores diminuíram.

Para Alaedini, surgiu o princípio de um mecanismo: algum componente de trigo ainda não identificado faz com que o revestimento intestinal se torne mais permeável. (Um desequilíbrio na microbiota do intestino pode ser um fator predisponente.) Os componentes de algumas bactérias parecem então passar despercebidos pelas células imunes no tecido intestinal subjacente e chegar à corrente sanguínea e ao fígado, provocando inflamação.

"Esta é uma condição real, e pode haver marcadores biológicos objetivos para ela", diz Alaedini. "Esse estudo mudou muitas mentes, incluindo a minha."

O estudo também impressionou Guandalini, há muito cético sobre o papel do glúten. Isso "abre o caminho para finalmente alcançar um marcador identificável para essa condição", diz ele.

Mas outros vêem a explicação da resposta imune como uma distração, uma pista falsa. Para eles, o principal vilão é o FODMAP. O termo, cunhado pelo gastroenterologista Peter Gibson na Monash University em Melbourne, na Austrália, e sua equipe, engloba uma miscelânea de alimentos comuns. Cebola e alho; legumes; leite e iogurte; e frutas, incluindo maçãs, cerejas e mangas são todos ricos em FODMAPs. O trigo também é: os carboidratos no trigo, chamados frutanos, podem representar até metade do consumo de FODMAP de uma pessoa, estimaram os nutricionistas do grupo de Gibson. A equipe descobriu que esses compostos fermentam no intestino podendo causar sintomas da síndrome do intestino irritável, como dor abdominal, inchaço e gases.

Gibson tem sido cético sobre os estudos que implicam o glúten em tais sintomas, argumentando que esses resultados são irremediavelmente obscurecidos pelo efeito nocebo, em que a mera expectativa de engolir o temido ingrediente agrava os sintomas. Sua equipe descobriu que a maioria dos pacientes não podia distinguir de forma confiável o glúten puro de um placebo em um teste cego. Ele acredita que muitas pessoas se sentem melhor depois de eliminar o trigo, não porque elas acalmaram alguma intricada reação imunológica, mas porque reduziram a ingestão de FODMAPs.

Lundin, que estava firmemente no campo de reação imunológica, não acreditava que os FODMAPs pudessem explicar todos os seus pacientes. "Eu queria mostrar que Peter estava errado", diz ele. Durante um período sabático de duas semanas no laboratório da Monash, ele criou alguns lanches de quinoa (barrinhas de cereal) destinados a disfarçar o sabor e a textura dos ingredientes. "Eu disse: 'Nós vamos pegar as barras de cereal e vamos fazer o estudo perfeito.'"

Sua equipe recrutou 59 pessoas em dietas sem glúten autoinstituídas e as randomizou para receber uma das três lanches indistinguíveis, contendo glúten isolado, FODMAP isolado (frutan), ou nenhum dos dois. Depois de comer um tipo de barra por uma semana, eles relataram algum sintoma. Então, eles esperavam que os sintomas fossem resolvidos e comiam outro tipo de barra até que eles testaram as três.

Antes de analisar as respostas dos pacientes, Lundin estava confiante de que o glúten causaria os piores sintomas. Mas quando o estudo foi suspenso, apenas os sintomas do FODMAP chegaram ao limite da importância estatística. Vinte e quatro dos 59 pacientes tiveram seus maiores escores de sintomas após uma semana das barras frutadas. Vinte e dois responderam mais ao placebo, e apenas 13 ao glúten, Lundin e seus colaboradores - que incluía Gibson - relataram em novembro passado na revista Gastroenterology. Lundin agora acredita que os FODMAPs explicam os sintomas na maioria dos pacientes que evitam o trigo. "Minha principal razão para fazer esse estudo foi descobrir um bom método para encontrar indivíduos sensíveis ao glúten", diz ele. "E não havia nenhum. E isso foi incrível."

Na reunião da Columbia, Alaedini e Lundin se enfrentaram em conversas consecutivas intituladas "It's the Wheat" e "It's FODMAPS". Cada um tem uma lista de críticas ao estudo do outro. Alaedini afirma que ao recrutar amplamente a partir da população sem glúten, em vez de encontrar pacientes que reagiram ao trigo em um desafio, Lundin provavelmente não conseguiu incluir pessoas com uma verdadeira sensibilidade ao trigo. Muito poucos dos pacientes de Lundin relataram sintomas fora do intestino, como erupção cutânea ou fadiga, que podem apontar para uma condição imunológica generalizada, diz Alaedini. E ele observa que o aumento nos sintomas dos pacientes em resposta aos lanches FODMAP foi apenas estatisticamente significante.

Lundin, enquanto isso, aponta que os pacientes no estudo de Alaedini não passaram por um desafio cego para verificar se os marcadores imunológicos que ele identificou realmente aumentaram em resposta ao trigo ou ao glúten. Os marcadores podem não ser específicos para pessoas com sensibilidade ao trigo, diz Lundin.

Apesar dos títulos contraditórios de suas conversas, os dois pesquisadores encontram muito em comum. Alaedini concorda que os FODMAPs explicam alguns dos fenômenos de evitação do trigo. E Lundin reconhece que uma pequena população pode realmente ter uma reação imune ao glúten ou a outro componente do trigo, embora ele não veja uma boa maneira de encontrá-los.

Após a reunião, Elena Verdù, gastroenterologista da Universidade McMaster, em Hamilton, no Canadá, ficou intrigada com a polarização do campo. "Eu não entendo porque existe essa necessidade de ser tão dogmático sobre 'é isso, não é isso'", diz ela.

Ela teme que a confusão científica crie ceticismo em relação às pessoas que evitam o glúten por razões médicas. Quando ela janta com pacientes celíacos, diz ela, os garçons às vezes atendem a pedidos de comida sem glúten com sorrisos e perguntas. Enquanto isso, as mensagens conflitantes podem mandar pacientes sem acompanhamento médico para o caminho de restringir alimentos. "Os pacientes estão retirando o glúten primeiro, depois a lactose e depois os FODMAPs - e então eles estão em uma dieta muito ruim", diz ela.

Mas Verdù acredita que uma pesquisa cuidadosa irá acabar com as crenças. Ela é presidente da Sociedade Norte-Americana para o Estudo da Doença Celíaca, que este ano concedeu sua primeira concessão para estudar a sensibilidade ao trigo não-celíaca. Ela está esperançosa de que a busca por biomarcadores como os que Alaedini propôs irá mostrar que dentro do monolito de evitar o glúten se escondem condições múltiplas e variadas. "Vai ser difícil", diz ela, "mas estamos nos aproximando".



Texto original:

terça-feira, 22 de maio de 2018

6 Etapas para diagnóstico de Doença Celíaca e Sensibilidade ao Glúten




PATRYCE KINGA BAK
cleanlivingguide.com

Tradução: Google | Adaptação: Raquel Benati



EVITE O DESVIO E COLOQUE-SE NO CAMINHO PARA A CURA

Contando todos os anos de consultas médicas na infância por sintomas aparentemente diferentes, o meu diagnóstico da DOENÇA CELÍACA levou mais de 25 anos. Um dos muitos problemas relacionados com o glúten incluía erupções cutâneas do tipo eczema nos cotovelos e na parte de trás dos joelhos. Isso talvez fosse a dermatite herpetiforme, que poderia ter produzido um diagnóstico imediato que, sem dúvida, teria mudado o curso da minha vida. Décadas de medicação, problemas de pele, inchaço, anemia e inúmeros outros sintomas poderiam ter sido evitados.

Minha história infelizmente não é incomum. Na maioria dos casos a doença celíaca é diagnosticada quase 10 anos depois que uma pessoa começa a procurar ajuda para os seus sintomas. Embora os clínicos com uma compreensão das complexidades doença celíaca estejam em ascensão, o diagnóstico de alguma das desordens relacionadas ao glúten ainda não está efetivamente padronizado. Seguindo os 6 passos descritos neste post, você será levado ao caminho mais direto para o diagnóstico, e ser seu próprio defensor bem informado pode poupar meses, se não anos, de diagnósticos incorretos e ioiô de dieta sem glúten.


NÃO PERCA A OPORTUNIDADE

Faça o que fizer, não pare abruptamente de comer glúten antes de chegar ao seu diagnóstico. Quando o glúten se tornou um suspeito na constelação de possíveis causas para meus problemas de saúde, eu não estava armado com este claro guia passo-a-passo. Como resultado, não consegui determinar minha classificação exata de problemas com o glúten.

Depois que meu teste de DNA (HLA DQ2 / DQ8) mostrou ser positivo para um dos dois genes que indicam predisposição para a doença celíaca, meu gastroenterologista me aconselhou a ir em frente e tentar remover o glúten da minha dieta. Com o relato de melhora significativa durante a eliminação do glúten e, dada a grave má absorção evidente em meus exames de laboratório,  o médico não deu seguimento a outros testes.

Sem mais provas, a ambigüidade me levou a uma montanha-russa de eliminação e volta ao glúten. Minha saúde continuou a piorar e, nos dois anos seguintes, vários médicos me aconselharam a parar de comer glúten por longos períodos, sem tentar a bateria completa de diagnósticos. Com o tempo, isso me tornou cada vez mais sensível à proteína, o que me impediu de ser capaz de reintroduzir o glúten mais tarde, pois meus sintomas se tornaram excessivos demais para serem tolerados.

Também é importante ter em mente que, no final, não importa se você acha que é diagnosticado com sensibilidade ao glúten ou doença celíaca, porque aparentemente há muito pouca informação para quantificar uma diferença clínica significativa. No entanto, se sua resposta imunológica específica ao glúten pode ser classificada, a extensão do sofrimento e desconforto pode ser grave em todas as situações. A doença celíaca pode ser a interação mais séria, mas as outras classificações podem apresentar sintomas igualmente graves.

Certifique-se de ficar atento durante toda a sua investigação. Ninguém entende seus sintomas e seus efeitos sobre sua qualidade de vida, assim como você. A vida não é para ser vivida com falta de vitalidade. O que é pior, continuar a comer glúten enquanto você tem uma resposta imunológica que pode aumentar o risco de desenvolver certos cânceres gastrointestinais, doença óssea metabólica, fibromialgia, infertilidade e um excesso de outros problemas graves de saúde.

Isso não é sobre saltar em uma dieta da moda - desordens relacionadas ao glúten são sérias e podem afetar drasticamente a qualidade de sua vida agora ou no futuro. Se você não tem certeza se tem problemas com o glúten, mas não está se sentindo bem e gostaria de saber mais sobre os sintomas e as causas, leia:

DESORDENS RELACIONADAS AO GLÚTEN (DRG)


SE VOCÊ ESTIVER PRONTO PARA DAR O SALTO DA DESCOBERTA, SIGA ESTAS ETAPAS:

  • 1. ELIMINAÇÃO DO GLÚTEN DA DIETA
Remova o glúten da sua dieta por duas a três semanas.

Para melhores resultados, evite comer fora durante a trilha. Restaurantes comumente usam ingredientes como molho de soja ou outros ingredientes escondidos de glúten em todos os seus menus.

Se você tem alguma forma de alergia, você deve notar uma diferença dentro de uma semana. Você pode se sentir menos nebuloso, mais enérgico, ter menos problemas de estômago e menos dor artrítica em seu corpo.

  • 2. VOLTA AO CONSUMO DE GLÚTEN


Se você se sentiu melhor nesse período livre de glúten e suspeita de algum problema com essa proteína, acrescente o glúten à sua dieta novamente e coma diariamente em quantidades decentes por pelo menos dois meses antes de buscar diagnósticos.

Seja extremamente cuidadoso, ingerindo grandes quantidades de glúten durante esse tempo. Todos os exames de sangue e biópsias mostraram uma porcentagem preocupantemente alta de falsos negativos. Para o exame de sangue de anticorpos, isso pode ser em parte porque grãos diferentes contêm diferentes tipos de glúten, mas o exame de sangue mede apenas 2 dos 7 anticorpos possíveis. Com a biópsia, as amostras podem ser retiradas de uma parte do intestino que não sofreu danos significativos, possivelmente porque esse pode não ser o principal efeito de sua resposta imunológica.

O objetivo de sobrecarregar o glúten é eliminar qualquer chance de que alguma parte do seu intestino tenha começado a cicatrizar, ou que seus anticorpos sejam reduzidos antes do teste.

  • 3. ENCONTRE UM MÉDICO ESPECIALIZADO EM DOENÇA CELÍACA
Enquanto estiver em sua dieta de alto teor de glúten, faça o melhor para conseguir encontrar um clínico geral, reumatologista ou gastroenterologista que tenha conhecimento atualizado sobre doença celíaca.  O processo  de diagnóstico será muito mais fácil se você começar o trabalho com um médico que é ao mesmo tempo conhecedor da natureza insidiosa do transtorno e tem compreensão de seus sintomas.

Se você é obrigado a se consultar com um médico coberto pelo seu plano de saúde, e não tem garantia da profundidade de sua formação sobre a desordens realcionadas ao glúten, as seguintes informações de diagnóstico irão aumentar muito suas chances de um diagnóstico bem sucedido.

  • 4. DIAGNÓSTICO FASE I: DH  - DNA (HLA DQ2 / DQ8)

Se você tiver manchas de coceira, pele irregular previamente diagnosticada como Eczema, há uma chance de você ter uma condição da pele chamada Dermatite Herpetiforme (DH) . Isso poderia levá-lo direto ao dignóstico. Para seguir esse caminho, procure um dermatologista com experiência em DH. Uma única biópsia da pele determinará tanto a doença celíaca quanto a DH. Cuidado com os falsos negativos, pode ocorrer com esta biópsia também.

Se não for o caso, você deve primeiro determinar a predisposição genética, medindo seus genes HLA DQ2 e DQ8. Aproximadamente 40% das pessoas carregam os genes, mas apenas 1% é Celíaca, portanto, este é apenas um indicador inicial. Apenas cerca de 20% das pessoas com doença celíaca apresentam sintomas de Dermatite Herpetiforme. 

  • 5. DIAGNÓSTICO FASE II: TESTES DE SANGUE (SOROLOGIA)


O próximo passo é medir os anticorpos antitransglutaminase IgA e IgG, no sangue. Como este exame de sangue é notoriamente impreciso, não deixe de pedir ao seu médico um exame de sangue completo ao mesmo tempo (ou durante a Fase I, junto com o teste de DNA), incluindo painéis sobre os níveis de ferro e função tireoidiana .

  • Ferro: hemograma completo, ferro sérico, ferritina sérica, nível de transferrina. Deficiência de ferro pode ser um grande indicativo de problemas com glúten. É preciso o perfil completo para obter uma imagem completa. Eu experimentei diagnósticos perigosos, mesmo com a gravidade da anemia durante a minha jornada diagnóstica.

  • Função tiroideia: Vários sintomas de hipotireoidismo se sobrepõem estranhamente aos sintomas de doença celíaca. Isso não é surpresa, pois há muitas pesquisas indicando que há uma ligação entre o hipotireoidismo e oacelíaco.  Segundo Chris Kresser, “a gliadina, a porção protéica do glúten, se assemelha à da glândula tireóide. Quando a gliadina rompe a barreira protetora do intestino e entra na corrente sanguínea, o sistema imunológico a identifica como agressor. Esses anticorpos contra a gliadina também fazem com que o corpo ataque o tecido da tireóide.” Dar esse passo pode melhorar drasticamente suas chances de resolver sua saúde se você puder saber se a função tireoidiana faz parte do seu quebra-cabeça. 


  • 6. DIAGNÓSTICO FASE III: ENDOSCOPIA DIGESTIVA ALTA COM BIÓPSIA DE DUODENO


Se a sua investigação inicial de sangue (sorologia) aparecer com resultados clinicamente positivos, o próximo passo óbvio é uma biópsia do seu duodeno. Isso é óbvio devido ào seu caminho inicial sem glúten. Sintomas físicos melhorados durante um período de abstinência do glúten fornecem a prova anedótica adicional necessária para sugerir que os resultados não foram falso-positivos.

Tenha em mente que, se o seu exame de sangue voltar negativo para os anticorpos do glúten, mas você viu uma diferença marcante durante o período sem glúten, esses exames de sangue são notórios por apresentar resultados falso-negativos. É aqui que o resto dos exames de sangue são úteis:

Se você é anêmico e tem outros sintomas consistentes com desordens relacionadas ao glúten, esta é uma pista importante.

Se além disso você parece ser deficiente em uma infinidade de outros nutrientes, apesar de comer de forma saudável, você ainda tem outro sinal.

Ao todo, a evidência de uma reação física negativa mensurável ao glúten, a predisposição genética e as deficiências nutricionais apontariam com bastante certeza para doença celíaca.

Exames positivos para hipotireoidismo ou Hashimoto poderiam ser sua pista final.

Independentemente de qual combinação de exames você está trabalhando, se acha que o próximo passo lógico é a biópsia de duodeno, seja persistente.  Se você pretende seguir sem glúten, as chances de que você vai se arrepender se perder essa oportunidade são grandes.

Para a melhor chance de um diagnóstico preciso, você precisará comer o equivalente a pelo menos 4 fatias de pão por dia durante 2 ou 3 meses ANTES da endoscopia com biópsia. Você também deve certificar-se de que o médico que está conduzindo o procedimento planeja tomar pelo menos 4 amostras duodenais, incluindo 1 do bulbo duodenal.

Cuidado, no final, até mesmo a biópsia, embora aconteça raramente, pode produzir um falso negativo. Se a sua biópsia é questionável ou negativa, mas com base nos seus sintomas, exames e pistas da dieta, as evidências apontam para o glúten como o possível culpado de seus sintomas - você provavelmente terá a sua resposta.

Próximos passos

Depois de chegar a este ponto, você deve ter uma perspectiva clara do seu status em relação ao glúten. A boa notícia é que, se você tiver que modificar sua dieta e eliminar o glúten, pode ter certeza de que suas refeições caseiras, guloseimas e lanches têm o potencial de ser tão bom quanto antes.  Uma vida sem glúten é deliciosa!

A má notícia é que há muitas fontes de glúten escondidas para evitar quando comer fora e isso necessita um pouco de aprendizado. Não é intransponível, basta pesquisar e se acostumar. 



Texto Original:

sábado, 19 de maio de 2018

Doença Celíaca - passo a passo no caminho de volta à saúde



por STEVEN WRIGHT
scdlifestyle.com

Tradução: Google | Adaptação: Raquel Benati

A doença celíaca tem muitas questões que não são faladas. Uma deles é a seguinte: uma pessoa leva em média 4 anos para conseguir o diagnóstico de doença celíaca, e a pesquisa mostra que, mais de 2 anos depois, muitos pacientes ainda sofrem com os sintomas, apesar de estar seguindo uma dieta livre de glúten. Este artigo é uma tentativa de mudar isso, trazendo informações que realmente possam ajudá-lo a voltar a  ter uma vida saudável.

Este guia foi escrito para celíacos, para explicar o que está acontecendo em seu corpo, o que isso significa para o seu futuro e como controlar essa doença. O objetivo é preencher as lacunas com informações que provavelmente seu médico não lhe disse.

Eu escrevi isso porque Jordan Reasoner, meu melhor amigo, teve que lutar por 3 anos para obter um diagnóstico, e depois, tudo o que ele recebeu foi uma simples recomendação para seguir uma dieta sem glúten, que ele ficaria bem. Mas ele não ficou...

Dois anos depois de iniciar uma rigorosa dieta sem glúten ele estava ainda mais perto de morrer. Não estava funcionando e os médicos disseram: "Você está obviamente furando a dieta e não podemos mais ajudá-lo."

Infelizmente, esta é agora a norma em nosso sistema médico atual - médicos com pouca instrução e com poucos recursos, culpando e informando mal os pacientes sobre o que realmente é necessário para controlar a doença celíaca e o que os riscos dessa doença significam para sua vida.

Mas não precisa ser assim:

Jordan está curado e feliz agora, e desde então ajudamos milhares de outros celíacos que passaram pela mesma luta, a recuperar sua saúde como ele. Mas eu ainda estou preocupado, então estou escrevendo esse Guia. Meu objetivo é ajudar celíacos a evitar a dor em curso - para entender os riscos com sua saúde - e aprender a retornar a uma vida saudável normal, se quiser.

  • 1- O que é doença celíaca (DC)?

A Celíaca é uma doença autoimune que causa danos ao intestino delgado, o que leva a inflamação sistêmica, má absorção de nutrientes e muitos outros problemas de saúde significativos. Uma condição autoimune é uma condição na qual o sistema imunológico fica confuso e, em vez de lutar contra invasores, ataca o próprio corpo.

A parte do intestino delgado que fica mais danificada geralmente são as vilosidades. Estas são micro projeções semelhantes a dedos no intestino delgado e são vitais para a nossa saúde. Elas aumentam a área da superfície do intestino delgado, liberam enzimas digestivas e ajudam a coletar e absorver nutrientes.

Durante a progressão da doença celíaca, as vilosidades vão sendo atrofiadas. Isso é uma má notícia para a nossa saúde. Uma vez que a celíaca é uma doença autoimune, isso significa que há um gatilho ou razão ambiental que cria a inflamação, desregulação imune e problemas subsequentes.

Acredita-se que o fator desencadeante ambiental para a doença celíaca seja apenas o glúten, e é por isso que existe esse foco em dieta sem glúten. Mas, infelizmente, esse foco apenas no glúten está prejudicando a maioria dos Celíacos e, na minha opinião, matando alguns deles. 

  • 2-Sinais, Sintomas e Prevalência da Doença Celíaca

Outra questão importante sobre doença celíaca é que, enquanto o dano acontece no intestino delgado, apenas 40% das crianças e 60% dos adultos relatam qualquer sintoma digestivo. Ela pode causar problemas em todo o nosso corpo. Esta é uma das razões pelas quais a grande maioria das pessoas que sofrem de doença celíaca (83% - 97% ) permanecem sem diagnóstico.

A maioria das pessoas tem vários problemas da lista abaixo - quantos você tem?

Sinais comuns e sintomas da doença celíaca:

  • Diarreia
  • Gases
  • Inchaço e Cólicas
  • Prisão de ventre
  • Dor de estômago
  • Náusea e vômito
  • Anemia
  • Fadiga
  • Dor Articular e Óssea (artrite)
  • Erupções cutâneas
  • Dores de cabeça e enxaqueca
  • Dormência nas Mãos e Pés
  • Depressão
  • Ansiedade
  • Aftas
  • Perda ou Ganho de peso inexplicável
  • Desnutrição
  • Confusão mental
  • TDAH
  • Refluxo ácido
  • Defeitos no esmalte dentário e problemas na gengiva
A doença celíaca afeta 1% da população mundial. A maioria dessas pessoas está sem diagnóstico. Os riscos de ter a doença celíaca não param apenas na lista de sintomas acima. Lembre-se, uma grande porcentagem (até 60%) não percebe que está doente, o que é assustador quando você olha como a doença celíaca o predisoõe para muitos outros problemas de saúde.

  • 3 - Os riscos da doença celíaca (DC) não tratada

Aqueles com tem DC e inflamação intestinal têm um aumento de 72% no risco de morte. Muitas vezes, há uma grande negação quando se é diagnosticado com uma doença grave como a celíaca. E isso é totalmente normal, mas eu quero encorajá-lo a não esperar muito tempo para tomar medidas sérias para voltar a ter saúde. Porque se você ignorar, negar ou deixar de verificar seu progresso, você provavelmente acabará entre uma (ou muitas) dessas estatísticas assustadoras:
  • Outros distúrbios autoimunes: Celíacos têm 8 ou mais chances de desenvolver outra doença autoimune .
  • Osteoporose em desenvolvimento: A doença celíaca é 17 vezes mais prevalente na população com osteoporose.
  • Problemas de infertilidade: A doença celíaca é 2,86 vezes mais comum em mulheres inférteis.
  • Vivenciando condições neurológicas: Pacientes com DC são 2,58 vezes mais propensos a serem acometidos por distúrbios neurológicos.
  • Risco de câncer: 
  1. Os pacientes celíacos têm um risco aumentado de 2.44 vezes de desenvolver todos os cânceres (e aumenta quanto mais velho você é), mas o risco de câncer Gastrointestinal é muito maior!
  2. Risco aumentado em 30% para câncer gastrointestinal.
  3. Risco 40 vezes aumentado de linfoma não-Hodgkin do intestino delgado.
  4. Risco 77 vezes aumento de de linfomas.
  • Risco de morte: O risco de mortalidade dos pacientes celíacos aumenta muito rapidamente, mesmo se você estiver “assintomático” (ou seja, você não percebe sintomas). Para aqueles com atrofia vilosaitária completa, há um aumento de 2,88 vezes no risco de morte no primeiro ano após o diagnóstico. E aqueles com inflamação intestinal, mas não com atrofia vilositária completa, tiveram um risco aumentado 4,66 vezes de morte no primeiro ano.
Em outras palavras, se você é um celíaco livre de sintomas mas seus exames mostram muitos sinais  de inflamação intestinal, você ainda está em risco significativo de complicações de saúde e morte prematura.

Olha, eu não estou tentando assustar você, eu só quero que você seja um paciente completamente informado - o tipo de paciente que pode fazer as melhores escolhas para seu corpo e vida, não aquele que deixa tudo apenas nas mãos de um médico. Mas não se preocupe, os cenários acima não precisam se tornar sua realidade. Na verdade, estou dando a você as orientações para evitar que você faça parte dessas estatísticas.


  • 4 - A diferença entre Doença Celíaca (DC) e Sensibilidade ao Glúten Não-Celíaca (SGNC)

Estima-se que entre 6% a 20% da população tenha sensibilidade ao glúten não-celíaca. Não é algom como se você tivesse acabado de acordar um dia e de repente "pegasse" doença celíaca. Em vez disso, você está progressivamente ficando mais doente e a quantidade de dano dentro do seu corpo está se formando lentamente.

Qual é a principal diferença entre você e aqueles que tem sensibilidade ao glúten. A Universidade de Maryland relata atualmente que cerca de 18 milhões de americanos (6% da população dos EUA) têm essa condição. No entanto, esta é a estimativa mais baixa das pessoas afetadas. Dr. Alessio Fasano, Diretor do "Center of Celiac Research", disse repetidamente
"Todos os seres humanos não têm  enzimas necessárias para digerir o glúten".
E agora, estão surgindo novos estudos que propõem mecanismos para apoiar essa declaração, o que significa que o número real de pessoas com problemas relacionados ao glúten pode ser maior. Vale a pena notar que só porque é extremamente difícil de digerir não significa que todo mundo tem um problema com glúten. Aqueles com sensibilidade ao glúten não-celíaca podem experimentar os mesmos sintomas listados acima para Celíacos, como diarreia ou constipação, urticária, confusão mental, enxaqueca e inchaço.

Assim como a doença celíaca, a sensibilidade ao glúten nõ-celíaca é uma condição na qual o sistema imunológico é ativado pelo glúten, causando inflamação e permeabilidade intestinal. Mas o sistema imunológico não ataca o revestimento do intestino delgado, como ocorre na doença celíaca.

Portanto, a principal diferença entre sensibilidade ao glúten não-celíaca e a doença celíaca está na maneira como o sistema imunológico está reagindo ao glúten e à gliadina. Mas vamos ser claros, em ambos os casos há uma resposta imune ao trigo.

A resposta imune de uma pessoa com SGNC não é dirigida ao tecido humano - ela é direcionada ao gatilho ambiental.

No entanto, os principais especialistas em doença celíaca, como o Dr. Tom O'Bryan , acreditam que a doença celíaca não é como um interruptor de luz - que liga ou desliga. Eles acreditam que mesmo aqueles com SGNC têm algumas células do sistema imunológico atacando o tecido humano, mas em um nível muito baixo para nossos testes médicos atuais detectarem. E depois de meses ou anos desse ataque "silencioso", a resposta imunológica começa a crescer em gravidade até que seja finalmente detectada pelos nossos testes laboratoriais atuais.

Dito isso, se você tem sensibilidade ao glúten não-celíaca o conselho deste artigo é tão relevante para você como para uma pessoa com doença celíaca diagnosticada.

  • 5 - Da sensibilidade ao glúten até a doença celíaca completa

Muitos celíacos não são realmente diagnosticados com doença celíaca até mais tarde (20, 30, 40, 50 anos e além), e ficam confusos quando tudo acontece. Nesta altura da vida, eles podem se perguntar se tinham problemas com o glúten durante todo esse tempo.

Vamos explorar como a doença celíaca se desenvolve e qual o papel da sensibilidade ao glúten não-celáca - como já dissemos, a diferença entre as duas é principalmente em como o sistema imunológico é desregulado.

Há dois lados principais do sistema imunológico - o inato e o adaptativo. Cada um tem um grande papel em nos manter saudáveis.

Na sensibilidade ao glúten não-celíaca, acredita-se que ambos ataquem ativamente o glúten e outras moléculas que estão entrando na corrente sanguínea por causa da permeabilidade intestinal.

Na doença celíaca, o lado adaptativo fica descontrolado e começa a atacar as células do intestino delgado, pensando que também são moléculas estranhas que devem ser destruídas. Este é o componente autoimune da doença.

Tanto na sensibilidade ao glúten não-celíaca quanto na doença celíaca, o dano e o desconforto são causados ​​pelo glúten. Mas é difícil evitar algo que você não entende. Precisamos saber exatamente o que é glúten e como podemos evitá-lo.

Você provavelmente já sabe disso, mas o glúten é uma proteína encontrada em cevada, centeio e trigo.

Aqui está o que você provavelmente não sabe: plantas não querem ser comidas por você. Na verdade, elas têm um complexo mecanismo de defesa para impedir que humanos e outros animais as comam.

Um desses mecanismos de defesa são proteínas tóxicas, chamadas prolaminas, contidas em praticamente todos os cereais (sem glúten ou não). O glúten abriga uma das prolaminas mais tóxicas - a gliadina - e ela que causa o dano .

A gliadina inflama até o intestino de indivíduos saudáveis. Mas para aqueles com sensibilidade ao glúten ou  predisposição genética para a doença celíaca, o dano é muito pior. Quando uma pessoa com a genética da doença celíaca come um pãozinho, uma tigela de macarrão ou qualquer outra coisa que contenha glúten, o dano ocorre de algumas maneiras:
  • Inflamação do intestino - O intestino humano (e o intestino de muitos outros animais) tem muita dificuldade em decompor as proteínas como a gliadina do glúten. O sistema imunológico realmente ataca as partículas, o que também causa danos ao tecido saudável, aumentando a inflamação do intestino .
  • Permeabilidade Intestinal - A gliadina desencadeia um aumento nos níveis de zonulina, causando permeabilidade intestinal. Zonulina é uma proteína que funciona como um porteiro vigilante no intestino humano, controlando a abertura e fechamento de espaços existentes entre as junções ds paredes do intestino (onde os nutrientes passam do intestino para a corrente sanguínea). Quando os níveis de zonulina aumentam, as junções se abrem mais e permitem que as moléculas maiores de gliadina passem para a corrente sanguínea - criando assim o que chamamos de intestino permeável.
  • Reação Autoimune -  A gliadina atravessa a parede do intestino e começa a fazer uma ligação cruzada com uma enzima chamada Transglutaminase - ela é liberada para reparar as células do intestino (enterócitos) que são danificadas pela gliadina. Essa ligação cruzada desencadeia então a produção de anticorpos que atacam os enterócitos, causando uma destruição autoimune contínua (os exames de sangue de doença celíaca vão medir justamente esses autoanticorpos). O aumento da zonulina (e consequente alargamento dos espaços entre as junções) leva ao desenvolvimento de um intestino permeável.
Então, em resumo, as prolaminas são proteínas de defesa encontradas nas plantas. O glúten é apenas um dos vários tipos de prolaminas e contém uma parte especificamente tóxica chamada gliadina. Em geral, enquanto trigo, centeio e cevada são considerados os piores criminosos para os celíacos, uma vez que o dano tenha começado, qualquer prolamina - seja de um cereal ou pseudocereal (quinua, amranto) - pode ser problemática.

Com isso dito, vamos falar sobre como realmente confirmar que você tem a doença celíaca.

  • 6- Diagnóstico da doença celíaca

Há muita confusão em torno de testes e diagnóstico da doença celíaca e é por isso que, em média, são necessários 4 anos para que um celíaco consiga seu diagnóstico. Francamente, isso é patético e triste. Acredito que os pacientes podem acelerar esse processo sendo mais instruídos do que seus médicos sobre o assunto.

Tecnicamente, o diagnóstico da doença celíaca é determinado com base nos resultados de uma endoscopia digestiva alta com biópsia de duodeno, testes sorológicos e história clínica, o que significa que não há um teste “perfeito” para diagnosticar a doença.

O que está acontecendo é que os médicos estão procurando por uma quantidade específica de dano no seu intestino delgado e cruzando com os resultados sorológicos para confirmar que você tem os fatores de risco para a doença.

Em termos mais simples, isso significa que quando seu problema com o glúten ultrapassa um limiar de dano do intestino delgado e os fatores de risco autoimune são confirmados através de testes de laboratório, então você tem oficialmente o diagnóstico de doença celíaca.

  • 7- Exames existentes

Vamos dividir os testes em 3 categorias:

1.) Exames de apoio - Normalmente, são testes mais fáceis de executar. Eles fornecem evidências de apoio para o risco de doença celíaca ou sensibilidade ao glúten.

Um exemplo de exame de apoio é o teste genético (HLA DQ2 e/ou DQ8) para verificar os genes da doença celíaca. 

2.) Exames de autoimunidade -Estes são testes utilizados para verificar e medir o nível de desregulação do sistema imunológico em curso em seu corpo. Há uma grande desvantagem com esses testes, pois você precisa ter comido glúten nos últimos 2-3 meses para obter um resultado preciso.

Um teste de sangue chamado antitrasnglutaminase IgA, que procura anticorpos no sangue provacados pela presença de glúten, é o teste mais antigo e mais barato, mas existem desvantagens como possibilidades de resultados falso-negativos e ou um resultado positivo podendo significar que você tem algo diferente da doença celíaca!

Se o resultado for positivo ou negativo, isso não significa exatamente que você tenha ou não doença celíaca. Algumas outras patologias e uso de medicamentos podem ser responsáveis também por resultados positivos/negtivos nesse exame.

3.) Exames de danos - Estes testes são o último passo - eles são os mais caros e invasivos. No entanto, neste momento, para obter um diagnóstico celíaco “oficial” de um médico, este teste é a última peça do quebra-cabeça.

É chamado endoscopia digestiva alta com biópsia de duodeno e é onde os médicos realmente entram e removem minúsculos fragmentos de seu intestino delgado e olham para eles através de um microscópio para verificar se há danos. Esperançosamente, no futuro, novos testes serão desenvolvidos, que não serão tão invasivos ao corpo.

Em conclusão, a melhor abordagem para obter um diagnóstico adequado é primeiro verificar sua genética e presença de autoanticorpos. E se ambos forem positivos, faça uma biópsia do duodeno. Se você obtiver um resultado positivo na endoscopia, será uma grande bandeira vermelha, significando que tem essa condição já por um longo tempo e provavelmente precisará levar seu processo de cura muito a sério.

Sentir-se melhor após a retirada do glúten não é suficiente para ser diagnosticado como celíaca, mas é um sinal muito bom que você pelo menos tem sensibilidade a essa proteína. 

  • 8 - Tratamento Convencional da Doença Celíaca

Quando finalmente você obtem seu diagnóstico, seu médico provavelmente lhe dirá isso:
“ Adotar uma dieta rigorosa sem glúten é o único tratamento conhecido para aqueles com desordens relacionadas ao glúten .” 
No começo,  fazer essa mudança na rotina alimentar parece tão difícil e, às vezes, impossível, especialmente por ser preciso desistir daqueles alimentos preciosos que você foi criado. Mas a maioria dos Celíacos com quem conversei fizeram a mudança e começaram a viver um estilo de vida livre de glúten. E acabam amando esse novo estilo de vida porque se sentem muito melhor do que antes.

Mas a maioria acaba atingindo um teto de vidro no controle da celíaca. Em outras palavras, seus sintomas realmente dolorosos podem diminuir ou quase desaparecer, mas eles não conseguem a energia, pele, cabelo, regulação do peso, funcionamento do cérebro e digestão confiáveis ​​que eles realmente querem. E não é culpa deles.

Foram orientados a seguir um tratamento 9dieta sem glúten) que nem sempre garante o completo restabelecimento da saúde.

Eu sei, isso é difícil de acreditar, mas vou provar isso com estudos científicos na próxima seção.

  • 9 - Três falhas importantes no tratamento celíaco convencional

Após 2 anos de dieta isenta de glúten, as suas hipóteses de curar completamente  seu intestino são entre 8% e 34% .  Mas isso só piora ... Em pesquisas realizadas com celíacos e população normal, a permeabilidade intestinal de celíacos que fizeram a dieta sem glúten por 2 anos foi 3 vezes maior do que os controles .

Você pode pensar: “E aqueles que ficam livres de sintomas em uma dieta sem glúten? Isso não significa que está tudo bem? Não. Estes estudos analisaram os níveis de inflamação em Celíacos “sem sintomas” e encontraram quantidades significativas de inflamação, em comparação com indivíduos controle. E fica ainda pior, 18 dos 30 celíacos que fizeram dieta sem glúten por 8-12 anos, com saúde comprovada por biópsia, tinham baixo nível de vitaminas (desnutrição) .

Em outras palavras, a dieta livre de glúten pode ajudá-lo a ficar livre de sintomas, até mesmo reparar suas vilosidades (comprovadas por biópsia), mas é improvável que você consiga reverter a permeabilidade intestinal, reduzir a inflamação a quantidades normais e repor os nutrientes perdidos.

É hora de tratar o celíaco de forma integral e usar estratégias para resolver os problemas conhecidos. Sim, você precisa evitar o gatilho ambiental (glúten). Mas é claro que, se isso é tudo que você faz ... bem, lembre-se daquelas condições associadas assustadoras como cérebro, fertilidade e câncer? A dieta livre de glúten deixa você vulnerável a todos eles.

  • 10 - Como se desenvolve a doença autoimune (e porque isso lhe dá esperança)

Em 2011, o pesquisador e médico, Alessio Fasano, publicou seu trabalho inovador, “ Leaky Gut and Autoimmune Diseases ”. Fasano propôs que esse ataque autoimune poderia ser realmente interrompido! Isto é realmente uma boa notícia, porque, até este ponto, assumiu-se que uma vez iniciado o processo autoimune, ele apenas continuará atacando seu corpo pelo resto de sua vida.

Mas a mais recente pesquisa de Fasano, conduzida ao longo de vários anos, mostrou que é de fato possível parar o ataque aos próprios tecidos do corpo e, geralmente, reparar o dano que aconteceu (se não for muito tarde).

Teoria do Desenvolvimento da Autoimunidade de Fasano requer 3 fatores:

  1. Uma predisposição genética para a autoimunidade (para a doença celíaca, que são os genes HLA DQ2 / DQ8)
  2. Exposição a um gatilho ambiental (para doença celíaca - glúten)
  3. Permeabilidade intestinal aumentada 

Segundo Fasano, quando todos esses três fatores estão presentes simultaneamente, a autoimunidade se desenvolve. Isso significa que se você tem doença celíaca ou outra condição autoimune, você tinha um intestino permeável no momento em que a doença começou.

Então, essa teoria finalmente explica como você poderia ter a genética para a doença celíaca, mas permaneceu saudável durante toda a sua vida. E então BAM! Você tem uma crise de meia idade aos 46 anos que provoca permeabilidade intestinal - você está comendo glúten e "de repente" você tem uma doença autoimune completa.

Mas isso tem um lado positivo: Se ter permeabilidade intestinal é o fator final que permite que a doença autoimune se desenvolva, então a doença autoimune pode ser interrompida e a maioria das pessoas pode curar os danos, revertendo a permeabilidade intestinal e removendo o gatilho (glúten).

Esta é uma maneira totalmente nova de pensar sobre a doença autoimune - que nos dá os passos necessários para realmente curar o corpo, em vez de se tornar mais uma estatística de doença celíaca não tratada.

É também por isso que agora sabemos que a remoção do glúten (o gatilho) é o passo mais importante mas não é o suficiente para curar um intestino permeável e parar completamente a auto ataque. Há mais trabalho a ser feito antes que o processo seja totalmente suspenso e revertido.

Agora você pode ver porque a dieta livre de glúten como o "único tratamento" para a doença celíaca não é suficiente?



  • 11 - Quatro etapas para a cura por causa raiz da doença celíaca

Aqui estão os 4 passos que você precisa focar para realmente curar os danos da doença celíaca. Este plano, na verdade, leva em conta todos os quatro problemas mostrados na pesquisa que estão afligindo os celíacos.

Este é o plano para curar um intestino permeável e reverter os danos causados ​​por anos de doença celíaca não tratada.

E isso começa com a remoção do glúten da sua vida. Isso ainda é uma obrigação!
  • Etapa 1 - Tirar o glúten  da sua vida (de todos os alimentos, produtos, etc.)
É hora de jogar fora todos os alimentos embalados ou processados ​​em sua cozinha que não tenham um rótulo sem glúten. Não há razão para manter qualquer farinha ou comida com glúten, ponto final. Não deixe espaço para tentações.

Você também precisa ler os rótulos em qualquer produto que você colocar em sua pele - xampu, hidratante, loção, cremes etc.O ideal é pensar em sua pele como uma extensão gigante de sua língua e não colocar nada nela. Você não comeria coisas com glúten! Portanto, verifique se todos esses produtos também são isentos de glúten.

Em seguida, dê uma olhada na higiene da sua cozinha. Se houver pessoas que comem glúten na casa, você não pode usar suas panelas antiaderentes, tábuas de corte ou utensílios de cozinha.  Tenha os seus próprios utensílios, panelas, talheres e vasilhas. Sim, isso é uma sensação dramática. Mas a verdade é que mesmo traços de glúten podem prejudicá-lo. E se você não pode estar seguro em casa, onde você está no controle, onde você poderá estar?

Quando você comer fora de casa, não tenha vergonha de avisar a  sobre a gravidade de sua condição para amigos e familiares ou nos locais que oferecem serviços de alimentaçao. Para estar totalmente preparado, é melhor ligar com antecedência e verificar se eles podem garantir que não haja contaminação cruzada por glúten em sua refeição. Se eles não podem garantir isso, há uma boa chance de que, mais cedo ou mais tarde, eles lhe servirão algo com glúten. 
  • Etapa 2 - Adicionar alimentos nutritivos à sua dieta
É claro, segundo pesquisas, que você precisa de mais nutrientes do que a maioria das pessoas e precisa fazer tudo o que estiver ao seu alcance para reduzir a inflamação em seu organismo. Isso significa que é hora de adicionar alguns alimentos altamente nutritivos para ajudar a repor as deficiências de nutrientes em seu corpo e dar a ele o que ele precisa para se curar. 

Ao mesmo tempo, esses alimentos também serão extremamente anti-inflamatórios. É um golpe duplo para ajudá-lo a se curar!

Isso significa que você precisará comer carnes, vísceras, ovos e frutos do mar. Significa comer mais vegetais, frutas e raízes (batata-doce, batata branca, inhame, mandioca etc). Isso também significa comer mais gorduras saudáveis, como azeite extra-virgem e produtos de abacate e coco.

E ELIMINAR todos os cereais e pseudocereais (mesmo cereais "sem glúten", como milho e aveia sem contaminação). Por quê? Porque esses alimentos têm suas próprias prolaminas que causam estragos em intestinos inflamados e danificados.

A fim de dar espaço para todos esses novos alimentos não processados ​​e deliciosos, você estará comendo muito pouco alimentos sem glúten processados, o que vai realmente poupar um monte de dinheiro. Em nossa experiência, quanto mais rigoroso você for na adesão a essas regras, mais rápido você se curará e se sentirá melhor.
  • Etapa 3 - Curar a permeabilidade intestinal
Embora a retirada do glúten da dieta seja uma proposta bastante direta, curar um intestino permeável é mais complexo.

Existem infinitas dicas gratuitas on-line sobre como curar seu intestino permeável (algumas delas são boas, mas muitas são realmente muito ruins), e é por isso que pedimos a 3 pesquisadores para analisar os estudos mais atuais e nos ajudar a descobrir a melhor maneira de realmente fazer isso.

Então, pegamos esses protocolos e os colocamos em prática, e temos visto resultados surpreendentes em muitas pessoas.

Um dos primeiros passos para curar um intestino permeável  é evitar cereais e pseudocereais, sobre os quais falei na seção anterior. Comer a dieta baseada em comida in natura  é ideal para curá-lo.

Em seguida, você vai querer experimentar alguns suplementos para cura intestinal, como L-Glutamina.  Comece com 2,5g de manhã e à noite e aumente progressivamente durante duas semanas, até atingir 20g pela manhã e à noite.
  • Etapa 4 - Mudar o estilo de vida que leva à inflamação
O último passo usado para reduzir sua inflamação e curar seu intestino é  sobre mudanças no seu estilo de vida.

Muitos celíacos estão, sem saber, escolhendo um estilo de vida que cria doenças. Isto inclui fazer coisas como ir à academia todos os dias, treinar excessivamente  e correr maratonas, fazer  crossfit 5 vezes por semana, dormir menos de 7 horas por dia, usar cafeína depois do meio-dia e beber álcool em excesso todas as noites.

Cada um desses comportamentos cria mais inflamação e contribui para a aumentar a permeabilidade intestinal.

Não, não enlouqueça! Eu ainda quero que você se exercite e trabalhe, apenas menos vigorosamente até que você esteja melhor de saúde. Eu não acredito que o café seja realmente ruim, mas certamente depois do meio-dia atrapalha os ciclos de sono. E eu não acho que vinho ou álcool seja necessariamente tóxico, mas beber mais de um dia por semana é definitivamente prejudicar seu intestino .

Olha, você está mudando sua dieta, você está curando seu intestino permeável, é hora de levar isso a sério e isso inclui cortar hábitos de vida que estão prejudicando você.

  • 12 - Concluindo:

Ok, se você chegou até aqui, provavelmente tem mais informação do que muitos médicos sobre doença celíaca (o que é impressionante)!

Vamos rever os pontos importantes:
  • A doença celíaca é uma doença autoimune em que o corpo ataca o revestimento do intestino delgado.
  • A doença celíaca e todas as outras doenças autoimunes ocorrem quando 3 condições se apresentam:
  1. Predisposição genética
  2. Gatilho ambiental
  3. Permeabilidade Intestinal
  • A gliadina (uma proteína do glúten) provoca um aumento na zonulina, que controla a abertura e fechamento das junções existentes nas paredes do intestino, aumentando a permeabilidade naqueles celíacos que comem glúten (acidentalmente ou voluntariamente).
  • Se você não curar seu intestino, seu risco para a maioria das doenças e morte precoce aumenta dramaticamente.
  • A dieta sem glúten sozinha não é suficiente para curar você.
  • Existem quatro etapas para tratar a doença celíaca com base em pesquisa.
  • Evite o glúten na comida e em todos os produtos que você coloca na sua pele.
  • Coma uma dieta sem glúten mais nutritiva para reverter as deficiências nutricionais devido à má absorção causada pela doença.
  • Cure seu intestino permeável.
  • Mude seu estilo de vida para ajudá-lo a evitar  a inflamação crônica e a permeabilidade intestinal.

Agora você está armado com as informações básicas para realmente lidar e superar a doença celíaca. Espero que você compartilhe isso com outras pessoas que você conhece e que são afetadas pela celíaca.


********************************************************************************

Informações adicionais sobre Doença Celíaca no Brasil:


* Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Doença Celíaca no SUS:

https://www.riosemgluten.com.br/protocolo-clinico-sus





segunda-feira, 30 de abril de 2018

Contaminação Cruzada - 12 utensílios que precisam ser substituídos se foram usados com glúten



Vivendo sem glúten?
Substitua estes 12 utensílios de cozinha imediatamente -
Eles podem conter traços de glúten e deixá-lo doente


Por Jane Anderson

Tradução: Google | Adaptação: Raquel Benati


Quando você vive sem glúten, não é suficiente apenas limpar a sua cozinha - você também precisará substituir alguns de seus utensílios de cozinha.

Infelizmente, qualquer coisa que seja porosa ou esteja arranhada pode abrigar pequenas quantidades de glúten nas rachaduras ... e é preciso muito pouco glúten para deixá-lo doente.

Você não precisa gastar muito dinheiro comprando novas ferramentas de cozinha. Na verdade, é perfeitamente possível obter a maioria desses itens em uma loja local, especialmente se você pular a compra de um nova torradeira.

No entanto, é extremamente importante que você substitua esses itens em sua cozinha. Se não o fizer, corre o risco de experimentar sintomas contínuos do glúten e retardar substancialmente o seu processo de cicatrização.

Pronto para começar? Aqui está o que você precisa substituir:




1 - Torradeira


Uma nova torradeira está no topo desta lista por uma razão: usar uma torradeira antiga é uma das causas mais comuns de ingestão acidental de glúten em pessoas que fazem dieta sem glúten. Certifique-se de não deixar que pão COM glúten seja torrado em sua nova torradeira sem glúten - mantenha-a somente para produtos sem glúten.



2 - Panelas antiaderentes


Se suas panelas antiaderentes estiverem arranhadas,  e todos nós sabemos como é fácil arranhá-las, você precisará comprar outras novas. Isso porque os riscos no revestimento antiaderente podem conter quantidades mínimas de glúten. Olhe cada um deles de perto procurando arranhões muito pequenos, e se você vir um, a panela precisa ser substituida

Panelas de aço inoxidável ou alumínio sólido, sem revestimento antiaderente nelas, não precisam ser substituídas e, de fato, podem ser compartilhadas entre glúten e alimentos sem glúten contanto que você as lave muito bem entre os usos (*aqui no Brasil recomendamos a tripla lavagem, usando esponjas novas a cada etapa) você também não precisa substituir suas tampas de panela, mas dar-lhes uma boa esfoliação, tendo o cuidado de erradicar qualquer resíduo de comida ao longo das costuras, antes de colocá-las em serviço sem glúten.



3 Panela de ferro fundido


O ferro é poroso e, assim como outros materiais porosos, pode abrigar o glúten. Portanto, se você já usou sua frigideira de ferro fundido para cozinhar panquecas ou para fritar frango ou em qualquer outra atividade de cozinhar contendo glúten, incluindo aqueles que envolvem molhos à base de glúten, você precisará substituir essa panela ou reciclá-la fazendo limpeza em forno autolimpante especial.

(*O forno nosso de cada dia, dos fogões a gás, faz a gordura que espirra nas paredes sumir por meio de uma reação química. Isso acontece quando as laterais e o fundo do forno são cobertos com um esmalte que deixa a superfície cheia de poros. A gordura do cozimento respinga nesses furinhos e reage com o revestimento, desintegrando-se por catálise, ou seja, aceleradamente – o ar quente do forno faz os resíduos evaporar. Obviamente, para limpar peças sem esmalte, como grades, porta e o forro da parte de baixo, só com uma esfregadinha manual mesmo. Em fornos elétricos, a limpeza é mais violenta e não tira só gordura, não! o processo, chamado de pirólise, transforma qualquer vestígio de alimento grudado no forno em cinzas, após duas horas sob temperatura de 500 ºC – para bancar essa faxina automática, só esnobando na conta de luz. Mundo Estranho)

Se você decidir reciclar sua panela, primeiro precisará tratá-la por meio de um ciclo de limpeza em um forno com função autolimpante. A temperatura do forno atinge cerca de 500ºC durante o ciclo de autolimpeza, e isso é quente o suficiente para transformar em cinzas restos de proteína do glúten. Depois de tirar do forno, lave muito bem sua panela e volte a usá-la. Certifique-se de usar apenas para comida sem glúten a partir de agora.

Pedras de pizza são tão porosas quanto panelas de ferro fundido, mas você pode fazer a mesma rotina de limpeza com uma pedra também, poupando-lhe a necessidade de comprar uma nova.



4 - Tábuas de corte


Por natureza, tábuas de corte usadas têm arranhões, geralmente muitas delas. E como os arranhões em outros tipos de utensílios de cozinha, aqueles em suas tábuas de corte podem abrigar depósitos microscópicos de glúten.

Portanto, você precisará comprar novas tábuas de corte e mantê-las apenas para uso sem glúten. Certifique-se de substituir o sua tábua de carne também, se você tiver uma separado, uma vez que marinadas contendo glúten que você usou na carne poderiam tê-la contaminado.




5 - Utensílios de Madeira


Muitos de nós usam colheres de madeira, garfos e viradores para cozinhar em panelas antiaderentes, mas a madeira é outro material poroso que pode reter pequenas quantidades de glúten. Portanto, você precisará comprar novas colheres de madeira e outras ferramentas.

Tal como acontece com alguns dos seus outros novos utensílios de cozinha, você precisará manter suas novas colheres de madeira apenas para cozinhar sem glúten. Mesmo um uso em uma panela de espaguete regular pode contaminá-los, então rotule-os com cuidado.




6- Espátulas de silicone


Quando nós fazemos bolo, a maioria de nós usa espátulas de silicone flexíveis para raspar os lados da tigela e ter certeza que nós misturamos cada pedaço de massa. No entanto, essas espátulas usadas podem capturar partículas de glúten, tanto em suas alças (muitas têm alças de madeira) como em arranhões na superfície.

Felizmente, não é caro substituir as espátulas de silicone. Algumas pessoas têm cores diferentes para assar sem glúten. Apenas certifique-se de marcar aquelas destinados ao uso sem glúten com um rótulo "sem glúten" proeminente para certificar-se de que ninguém em sua casa acidentalmente os usa para fazer um bolo cheio de glúten.



7- Espátula de plástico


Se você usa uma espátula de metal, você não precisa se preocupar em substituí-la, mesmo se você decidiu ter uma cozinha compartilhada - basta esfregar muito bem antes de usá-la com alimentos sem glúten .

No entanto, se você tiver uma espátula de plástico ou de nylon, especialmente aquela em que a borda de ataque está arranhada e desgastada, você precisará comprar uma nova e dedicá-la à cozimento sem glúten. Tal como acontece com as espátulas de silicone, a rotulagem ajudará, assim como a obtenção de cores diferentes. Certifique-se de que ninguém em sua casa a use para virar alimentos com glúten, ou você precisará substituí-la novamente.




8 - Rolo de massas


Essa é difícil - muitas pessoas têm rolos que foram de uma ou mais gerações de outros membros da família e querem mantê-los por motivos sentimentais. Mas é absolutamente essencial substituí-lo, já que seu antigo rolo de madeira irá contaminá-lo na primeira vez que você tentar usá-lo em panificação sem glúten.

Você não precisa se livrar do seu velho amigo da família - você pode guardá-lo e talvez até exibi-lo em sua cozinha. Só não use mais para rolar a massa, ou isso vai deixar você doente .




9 - Formas de bolo


Assim como suas panelas antiaderentes, suas assadeiras antiaderentes precisam ser trocadas se estiverem riscadas, já que esses riscos certamente contêm glúten. Você também precisará substituir as assadeiras de silicone e as forminhas de cupcake que foram usadas com produtos de glúten.

Você pode não precisar substituir as assadeiras de aço inoxidável e as forminhas se elas não estiverem riscadas - apenas certifique-se de esfregá-las completamente, especialmente nos cantos e ao redor das costuras.




10 - Escorredor de macarrão


Não é possível remover o glúten de um escorredor usado, mesmo se você o deixar de molho e depois passá-lo pela lava-louças. O glúten do macarrão que você drenou fica dentro de todos aqueles pequenos buracos, apenas esperando para deixá-lo doente.

Portanto, você precisará de um novo escorredor e precisará garantir que ele permaneça sem glúten. Mais uma vez, escolha uma cor diferente, e lembre a sua família repetidamente que este escorredor é apenas para uso sem glúten.



11 - Tigelas plásticas


Se você usar tigelas de plástico ou recipientes de armazenamento em sua cozinha, precisará comprar algumas novas, já que qualquer arranhão representa o mesmo problema antigo do glúten. Verifique as tigelas de plástico que você usou em atividades de panificação, bem como o seu estoque  tipo "Tupperware".

Mime-se com um novo conjunto de recipientes de armazenamento e tigelas de plástico. Mais uma vez, se você pretende compartilhar uma cozinha com alguns produtos com glúten, você pode querer considerar a codificação por cores das peças e dos recipientes - ou seja, azul para sem glúten, vermelho para glúten.




12 - Peneiras


Algumas receitas de panificação sem glúten pedem para peneirar os ingredientes. Por razões óbvias, você não deve reutilizar uma peneira de farinha usada anteriormente, porque simplesmente não é possível limpá-la completamente.

Portanto, você precisará de uma nova peneira, especialmente se planeja cozinhar a partir do zero, seja fazendo pães, bolos ou tapiocas. Você também pode usar um filtro de metal de malha fina para esse propósito, mas certifique-se de que o peneirador nunca tenha sido usado com glúten também.