sábado, 30 de setembro de 2017

O que significa se eu tiver HLA DQ2 e/ou DQ8, genes da Doença Celíaca?

Jessica Madden MD
http://www.jessicamaddenmd.com

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati




Isso significa que eu definitivamente tenho doença celíaca? Não

Isso significa que acabarei por desenvolver doença celíaca? Não necessariamente

Isso significa que eu preciso fazer Dieta sem Glúten? Não



Me perguntaram sobre testes genéticos para doença celíaca mais vezes do que eu posso contar nos últimos cinco anos, então eu finalmente decidi tirar um tempo para escrever sobre isso!

 Os dois genes associados à doença celíaca são HLA-DQ2 e HLA-DQ8. Mais de 95% das pessoas com doença celíaca têm uma ou duas cópias de um gene celíaco.  A parte confusa é que a maioria das pessoas que carregam os genes celíacos não tem doença celíaca, nem desenvolverá doença celíaca. Até 30-40% daqueles de ascendência do Norte e da Europa Ocidental carregam pelo menos um gene celíaco, mas apenas 3% dos portadores de genes celíacos irão desenvolver celíaca durante a vida (contra 1% para a população em geral). Muitas pessoas, incluindo médicos e pacientes, não entendem isso, em grande parte porque o desenvolvimento da celíaca contrasta demais com muitas outras doenças genéticas.


Alguns exemplos de como o celíaco difere de outras doenças genéticas:


  • - Se uma criança tiver duas cópias de um gene para uma doença autossômica recessiva, como a fibrose cística, ele certamente nascerá com fibrose cística. A doença celíaca não é autossômica recessiva por isso não segue esse padrão.

  • - Doenças autossômicas dominantes, como a doença de Huntington, desenvolvem se um indivíduo herda apenas uma cópia do gene da Huntington. A doença celíaca não é autossômica dominante, portanto, a maioria das pessoas com um gene celíaco não desenvolve celíaco.

  • - Os fatores ambientais desempenham um papel importante na razão das pessoas que carregam DQ2 e / ou DQ8 desenvolver celíacos. Isso contrasta com doenças autossômicas dominantes e autossômicas recessivas, como nos exemplos acima, que estão presentes, independentemente do meio ambiente. Numerosos estudos, incluindo o estudo CDGEMM (Celiac Disease Microbiome and Metabolomic Study) em Mass General, estão em andamento para investigar quais fatores ambientais podem contribuir para o desenvolvimento da doença celíaca.


Para reiterar, se seu filho herda um gene celíaco, ele ou ela corre o risco de desenvolver doença celíaca (mas, na maioria dos casos, não irá). Pode ser benéfico conhecer o estado de um gene celíaco da criança para determinar se ele ou ela deve ser monitorado e selecionado para doença celíaca. Como já discuti anteriormente, crianças de pais com doença celíaca devem ser examinadas para celíaca por meio de exames de sangue a cada dois anos, começando por volta dos 3 anos de idade. Mas, se você teve seu filho testado geneticamente e sabe que o gene celíaco não está presente, você provavelmente pode optar por excluir o rastreio e o teste.



Para mais informações sobre o estudo CDGEMM (Celiac Disease Microbiome and Metabolomic Study):



Fonte Original:

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Desafio de Glúten e diagnóstico de Doença Celíaca - SGNC: avanços

27 de setembro de 2017
Por Amy Ratner
www.beyondceliac.org

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati

Um novo teste pode tornar mais fácil distinguir a sensibilidade ao glúten da
doença celíaca e acelerar a busca de novos tratamentos







Um exame de sangue que pode detectar os primeiros efeitos do glúten pode significar que aqueles que já estão na dieta sem glúten só precisa  comer glúten uma vez (desafio de glúten) para serem testados com precisão quanto à doença celíaca.   Como resultado, esses pacientes poderiam evitar a lesão intestinal que eles arriscam ao passar pelo típico desafio de glúten de 6 semanas atualmente necessário para um diagnóstico preciso. O teste também pode acelerar a busca de um novo tratamento para a doença celíaca, pois poderia permitir que os pesquisadores determinassem mais rapidamente se um medicamento em estudo está trabalhando para evitar que o glúten desencadeie uma resposta.

Uma única exposição ao glúten resulta em alterações iniciais nos níveis de citocinas no sangue daqueles que sofrem de doença celíaca e estão em uma dieta sem glúten, de acordo com dados apresentados no recente Simpósio Internacional de Doenças Celíacas pela ImmusanT, uma empresa de biotecnologia de Massachusetts. O teste desenvolvido pela empresa mede os níveis de citocinas cuidadosamente sincronizados combinados com uma quantidade específica de glúten em um desafio de glúten.

**Citocinas: pequenas proteínas segregadas liberadas por células que têm um efeito específico nas interações e nas comunicações entre células. Existem citoquinas pró-inflamatórias e anti-inflamatórias.


Leslie Williams, presidente e diretor executivo da ImmusanT, disse que, embora o teste seja promissor para o diagnóstico e a pesquisa, está mais entusiasmada com a forma como os dados relacionados a ele explicam o que acontece quando os pacientes comem glúten e por que eles tem sintomas. As alterações das citocinas são observadas em pacientes com doença celíaca, mas não nqueles que tem sensibilidade ao glúten.

"O que há de novo é que avançamos dramaticamente a compreensão da doença do ponto de vista estrutural e funcional e podemos traduzir isso em terapêutica e diagnóstico", disse ela. "Os dados que geramos realmente abrem a diferenciação entre a doença celíaca e a sensibilidade ao glúten não-celíaca de maneira muito mais objetiva".

Os imunologistas que participaram do simpósio internacional tomaram nota deste novo entendimento, afirmou Williams. "A razão pela qual os imunologistas líderes estavam tão entusiasmados com as nossas descobertas é que realmente simplificou a compreensão de como a doença celíaca opera em um nível molecular", acrescentou Robert Anderson, MD, diretor científico da ImmusanT.

"A verdade é que a doença celíaca é uma resposta imune adaptativa conduzida pela célula T CD4 e não há dúvida de que é isso que impulsiona a doença", afirmou Williams.

** Células T: glóbulos brancos que funcionam combatendo como soldados a doença do corpo . No caso da doença celíaca, elas são incorretamente ativadas para atacar quando os péptidos de glúten são detectados.

A pesquisa da ImmusanT mostrou que os pacientes com doença celíaca tiveram um aumento de até dez vezes nas citocinas após um desafio de glúten, enquanto que os pacientes sensíveis ao glúten não apresentaram respostas. As citocinas aumentaram  entre duas horas  até oito horas, após a ingestão de glúten (desafio de glúten). A citocina mais antiga e proeminente liberada foi interleucina (IL) -2, que é liberada por células T ativadas. Esta foi a primeira vez que se demonstrou um aumento dentro de duas horas do consumo de glúten.

"Nós sabemos que essas citocinas estão sendo liberadas e são elas que orquestram o dano", disse Anderson. "Este é provavelmente o primeiro ponto em que alguém conseguiu provar o efeito do glúten". Ao longo dos últimos 30 anos, as citocinas foram medidas de outras formas, mas não em um cenário de "vida real" em pacientes que comeram glúten e depois testaram o sangue, observou.

As alterações da citocina foram evidentes em muitos pacientes com doença celíaca, embora os sintomas fossem leves ou ausentes. Os pesquisadores da ImmusanT também descobriram que níveis mais elevados de citocinas foram associados a sintomas mais graves em pacientes com doença celíaca dentro de 6 horas após o consumo de glúten. Anderson afirmou que os estudos aumentarão o interesse da pesquisa em tentar entender como citocinas, células T e sintomas digestivos estão ligados.

Os sintomas não se alinham consistentemente com o exame de sangue antitransglutaminase (tTG IGA) usado para o diagnóstico ou a biópsia considerada como o padrão-ouro nos Estados Unidos. Alguns pacientes não apresentam sintomas, mas tem exames de sangue positivos ou danos das vilosidades intestinais descobertos através da biópsia. 

Atualmente, não há teste específico para diagnóstico da sensibilidade ao glúten porque nenhum bio-marcador para a doença foi encontrado. Conseqüentemente, a sensibilidade ao glúten é um diagnóstico de exclusão após a doença celíaca ter sido descartada. O teste tTG é usado para diagnosticar aqueles que já adotaram a dieta livre de glúten, mas exige que o paciente volte a ingerir glúten por várias semanas (desafio de glúten) para só então colher sangue. Os pacientes que adotaram a dieta livre de glúten para aliviar os sintomas, sem ter diagnóstico de doença celíaca são muitas vezes relutantes em sair da dieta e, potencialmente, tornar-se doente novamente.

Alguns pacientes pensam que um diagnóstico oficial não importa, uma vez que a dieta sem glúten é o único tratamento para ambas as condições, mas a revisão recente de cinco anos de evidência concluiu que o diagnóstico correto é importante, especialmente porque a sensibilidade ao glúten pode não exigir uma dieta sem glúten rigorosa ao longo da vida - diferente da doença celíaca que exige uma dieta sem glúten rigorosa ( com controle de traços de glúten, inclusive) e por toda a vida.

 Com aproximadamente 80% das pessoas que vivem com doença celíaca não diagnosticada e nenhum tratamento atual disponível, esses dados demonstram o potencial de uma ferramenta de diagnóstico simples e altamente sensível para melhorar a saúde do paciente", afirmou Williams.

A ImmusanT procura colaborar com uma empresa de diagnóstico para tornar o teste amplamente disponível, mas sabe que talvez demore pelo menos até o final de 2018 antes que isso aconteça.

Pesquisadores que estudam a doença celíaca precisam de uma maneira de medir a eficácia do tratamento potencial. O ImmusanT está investigando o desenvolvimento de um teste para cientistas com base em seus achados relacionados aos níveis de citocinas.

"Esta poderia ser uma ferramenta útil em ensaios clínicos porque você não precisaria necessariamente de uma biópsia para ver como funciona um tratamento", disse Anderson. "Se você tem um tratamento e está tentando mudar a forma como a ativação da célula T ocorre, essa é uma maneira muito simples de saber como isso mudou. Está dizendo o quão sensível é o sistema imunológico à exposição ao glúten ".

Ele disse que a medição de citocinas pode levar a um "teste rápido" para avaliar se a resposta de um participante em estudo ao glúten foi afetada pelo tratamento.

O ImmusanT está usando a medida dos níveis de citocinas no desenvolvimento de NexVax 2, uma vacina terapêutica para tratar a doença celíaca.

O uso mais amplo do teste em estudos clínicos levaria várias etapas, incluindo a validação por órgãos independentes.

Nexvax2 é projetado para proteger contra o efeito do glúten naqueles que têm doença celíaca e o gene mais comumente associado a ele, HLA-DQ2.5. Isso inclui cerca de 90% dos pacientes com doença celíaca nos Estados Unidos. Nexvax2 seria alvo de células T que reagem ao glúten e desligue a resposta naqueles que têm doença celíaca e o gene necessário. Inicialmente, seria usado junto com a dieta sem glúten para proteger contra o consumo involuntário de glúten, principalmente através de contato cruzado quando comer fora de casa. Mas, como segunda etapa, a ImmusanT procura lançar uma vacina que eliminaria a necessidade da dieta.

Estudos anteriores mostraram que as mesmas células T respondem ao glúten e Nexvax2 ao libertar citocinas, com uma única dose alta com os mesmos efeitos que um desafio de glúten único. Quando a vacina foi administrada duas vezes por semana ao longo de oito semanas, os pacientes não demonstraram danos intestinais, sintomas excessivos ou citocinas elevadas. Além disso, testes de sangue para uma resposta imune a péptidos de glúten prejudiciais tornaram-se negativos em quase todos os pacientes.  Nexvax2 neste ano iniciará o teste clínico de Fase 2, durante o qual um regime de dosagem será estudado.



sábado, 23 de setembro de 2017

Doença Celíaca: 14 coisas que você precisa saber!

Jessica Migala -  21 de julho de 2017
www.health.com

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati


Os principais especialistas em Doença Celíaca separam mitos de fatos sobre 

essa doença autoimune que altera a vida de muitas pessoas



vilosidades do intestino delgado


14 Fatos sobre a Doença Celíaca




"Não, obrigado, eu não como glúten" tornou-se uma frase básica hoje em dia, mas para cerca de 1% da população que tem doença celíaca, não é uma moda, é uma necessidade. Ter doença celíaca significa que seu corpo está montando uma defesa rápida contra o glúten, que tem ramificações na sua saúde da cabeça aos pés. Não é apenas uma dificuldade digestiva que pode acompanhá-la; as conseqüências a longo prazo da doença celíaca podem tomar forma, incluindo um risco aumentado de alguns tipos de câncer. Além disso, a doença celíaca nem sempre terá um diagnóstico rápido. Pode levar um tempo - às vezes décadas - para que os pacientes saibam que têm a doença, deixando muitas pessoas sem diagnóstico por anos.

Somando a essa confusão existe o fato de que sintomas como constipação, diarreia ou inchaço abdominal e dor podem ter muitas outras explicações. A celíaca também pode não ser sua primeira suspeição se você sofre de sinais extraintestinais, como fadiga e depressão, o que torna o aprendizado da doença ainda mais crítico. Aqui está o que você precisa saber sobre a doença celíaca, se você acabou de ser diagnosticado ou suspeita que você possa ter isso.

1 - A doença celíaca é uma doença autoimune - não uma alergia


A celíaca é uma doença autoimune desencadeada pela ingestão de glúten e outras proteínas semelhantes encontradas em trigo, centeio e cevada, entre pessoas com susceptibilidade genética à doença, explica Stefano Guandalini, MD, fundador e diretor médico da Centro de Doença Celíaca da Universidade de Chicago.

A celíaca não é uma alergia alimentar, como as pessoas que têm com amendoim (as alergias ao trigo existem, mas principalmente começam na infância e, muitas vezes, desaparecem na idade adulta). E não é uma intolerância como a intolerância à lactose. Enfatizar a palavra "autoimune" pode esclarecer muitos equívocos sobre a doença, diz Daniel Leffler, MD, MS, diretor de pesquisa clínica no Centro de Doença Celíaca do Beth Israel Deaconess Medical Center, em Boston. A doença celíaca é distinta de alergias e intolerâncias, diz ele. "É mais parecido com outras condições autoimunes como diabetes tipo 1 ou artrite reumatóide ".

A doença celíaca também não é a mesma que a relativamente nova "sensibilidade ao glúten não-celíaca". Os médicos ainda estão estudando o que essa condição pode significar, mas não parece haver nenhum dano nas vilosidades do intestino delgado, marca registrada de doença celíaca, diz o Dr. Guandalini.

2 - Os sintomas da doença celíaca crescem ao longo do tempo


Aqui está o que acontece: você morde em um sanduíche ou come uma tigela de cereal e o ácido gástrico do estômago vai trabalhar, digerindo as proteínas desses grãos. Contudo, alguns elementos continuam inalterados, então, em pessoas com doença celíaca, proteínas persistentes de glúten, em seguida, induzem uma reação imune. O corpo se ataca, prejudicando o intestino delgado.

A maior parte deste dano intestinal acontece nas vilosidades, estruturas semelhantes a de dedos que cobrem o intestino delgado, onde você absorve nutrientes dos alimentos para a corrente sanguínea para que eles possam fazer seu trabalho alimentando, reparando e geralmente ajudando o seu corpo a funcionar. A degeneração das vilosidades pode levar a deficiências nutricionais. Mas a reação não é apenas local - também pode criar uma resposta inflamatória em cascata que "ataca outras partes do corpo, como articulações, pele e nervos, criando sintomas celíacos ao redor do corpo", diz o Dr. Leffler.


3 - Os sintomas da doença celíaca variam muito


A doença celíaca pode ser difícil de analisar porque não são apenas os sintomas de gastrointestinais que surgem. Algumas pessoas com doença celíaca são forçadas a fazer viagens de emergência ao banheiro ou sofrem de dor abdominal depois de comer pão, mas a doença nem sempre se manifesta assim. Crianças com doença celíaca freqüentemente acompanham sintomas clássicos gastrointestinais, como diarreia ou dor abdominal, mas os adultos nem sempre. Na verdade, apenas um terço dos adultos com doença celíaca tem diarreia, de acordo com a Fundação para Doença Celíaca (CDF). Nem sempre é óbvio o que está acontecendo, e é por isso que a CDF estima que 2,5 milhões de americanos com celíaca ainda não foram diagnosticados.

Apenas alguns dos mais de 200 sintomas de doença celíaca incluem: inchaço abdominal e dor, diarréia crônica ou constipação, vômitos, perda de peso, anemia ferropriva, fadiga, dor nas articulações, formigamento ou dormência nas pernas, feridas na boca, hipoplasia do esmalte dentário, infertilidade inexplicada e ansiedade e depressão.

A intensidade dos sintomas da doença celíaca nem sempre é a mesma. "Eu tenho alguns pacientes que dizem que estão inchados, mas nada de ruim. Outros dizem que ao passarem por uma padaria a barriga estufou, não cabendo em suas calças - esta não é uma doença de tamanho único ", diz Mark T. DeMeo, MD, chefe de seção de gastroenterologia do Rush University Medical Center.


4 - A doença celíaca ocorre nas famílias


Estima-se que 1 em cada 100 pessoas em todo o mundo tenha doença celíaca. As condições autoimunes - incluindo doença celíaca - tendem a se agrupar dentro das famílias. Se você tem um parente de primeiro grau com doença celíaca, você tem cerca de 10% de chances de desenvolvê-la. Se você tem um parente de segundo grau com celíaca, seu risco é cerca de 4 ou 5% maior do que alguém sem membros da família com celíaca, diz o Dr. Leffler, então você deve ser examinado uma vez que algum membro da família teste positivo para a doença.

Outro fator de risco da doença celíaca é ter uma condição autoimune em geral. Se você tiver uma, é mais provável que você tenha outra, de acordo com Beyond Celiac, uma organização sem fins lucrativos que aumenta a conscientização sobre a doença. Finalmente, você pode ter um gene para celíaca, embora isso não garanta que você vá desenvolver a doença. Longe disso: até 30% da população carrega esses genes, de acordo com a CDF.


5 - Os genes só explicam parte da história


A celíaca é uma desordem genética, mas um termo melhor para isso pode ser uma desordem parcialmente genética, diz o Dr. Guandalini. Enquanto você precisa do gene para que a doença seja desencadeada, "existem outros fatores que facilitam o início da celíaca, um dos quais é ambiental", diz ele. Tais fatores ambientais incluem o uso freqüente de antibióticos, particularmente no primeiro mês de vida, além de partos via cesariana, que podem perturbar o microbioma intestinal e desencadear uma resposta imune.

Infecções, incluindo a gripe estomacal, também podem aumentar seu risco celíaco. Pesquisas recentes da Universidade de Chicago com Dr. Guandalini em co-autoria identificaram uma infecção específica que promoveu uma resposta inflamatória e o desenvolvimento de celíaca em pessoas que apresentavam uma predisposição genética à doença.


6 - Os problemas a longo prazo são sérios


A doença celíaca pode parecer bastante leve, mas deixada sem controle pode provocar problemas de saúde futuros bastante significativos. O dano intestinal grave devido à doença celíaca pode levar a uma fraca absorção de nutrientes. Quando seu corpo não consegue tirar os nutrientes dos alimentos e transportá-los, você sofre de deficiências de nutrientes, o que causa uma série de outros problemas de saúde, como osteoporose, problemas de fertilidade, erupções cutâneas (dermatite herpetiforme) e anemia. Nas crianças, isso pode prejudicar o desenvolvimento. "Elas podem experimentar déficit no desenvolvimento, atraso da puberdade ou uma baixa estatura", diz o Dr. Guandalini.

Outro risco grave de doença celíaca não tratada é a inflamação.  Não tenha dúvidas de que ela é  a "vilã" para o seu corpo, envolvida em todo tipo de doenças, como doença cardíaca e diabetes tipo 2 . A inflamação crônica pode até aumentar o risco de câncer. Como o Dr. Leffler explica, "a inflamação faz com que certas células funcionem de forma extra e repliquem mais rápido do que deveriam, o que aumenta a chance de ter erros genéticos que podem levar ao câncer". Os pacientes celíacos podem ser suscetíveis a câncer de intestino delgado ou mesmo linfoma, uma vez que as células imunes também são afetadas, graças à inflamação causada pela doença celíaca.


7 - Não demore em investigar se tem doença celíaca


Se você suspeita que seja celíaco, vale a pena testar. Uma das razões pelas quais muitas pessoas não são diagnosticadas é que a doença celíaca pode aparecer de muitas maneiras e o problema nem sempre é óbvio. "Muitas vezes você ouve pessoas que tiveram sintomas por 10 ou 20 anos e não foram tratadas efetivamente", diz o Dr. Leffler. Foi o que aconteceu com Marge Benham-Hutchins, 61, de San Antonio, Texas, um membro do conselho consultivo do Beyond Celiac, que foi diagnosticada no início dos anos 50. "No momento do meu diagnóstico, o gastroenterologista me disse que eu tinha 20 anos de dano no meu intestino delgado", diz ela.

Se você sofre de sintomas persistentes, como dor abdominal, fadiga, diarreia e dores de cabeça, fale com seu médico. Quanto mais cedo você for diagnosticado, mais cedo você pode começar o tratamento com uma dieta sem glúten, diz o Dr. Leffler.

8 - Existem exames de sangue para doença celíaca


O teste preliminar para celíacos requer um exame de sangue simples. "Os exames de sangue que temos para selecionar células celíacas são muito precisos, acessíveis e amplamente disponíveis", diz o Dr. Leffler. Um deles é o teste tTG, que exibe o anticorpo transglutaminase  tecidual, uma proteína freqüentemente encontrada no sangue de pessoas com doença celíaca. Um teste positivo não significa que você definitivamente tenha doença celíaca, mas dá aos médicos uma dica do que você tem, diz o Dr. Guandalini. Se um exame de sangue for positivo, um paciente pode dirigir-se a um gastroenterologista que pode fazer exames de sangue adicionais para confirmar um diagnóstico celíaco. Se os testes de sangue não forem claros, um especialista pode querer fazer uma biópsia do intestino delgado ou uma endoscopia, um procedimento em que um pequeno tubo contendo uma câmera é inserido por sua garganta para procurar alterações no intestino delgado que sugerem doença celíaca.

Uma coisa a lembrar: não pare de comer glúten antes de fazer os exames. Você precisa ter pelo menos duas semanas (idealmente quatro a seis) comendo glúten antes de fazer o exame de sangue. Caso contrário, existe o risco de que o glúten seja removido do seu sistema e os anticorpos não estejam presentes nas amostras de sangue.


9 - O tratamento para a doença celíaca é direto - mas pode ser um desafio


Não importa quão grave sejam os seus sintomas, todos os pacientes celíacos são aconselhados a seguir uma dieta rigorosa sem glúten. "Essa é a única opção", diz o Dr. DeMeo. O objetivo é sentir-se melhor e, em última instância, curar o revestimento do intestino delgado. Os pacientes geralmente percebem que seus sintomas começam a diminuir em apenas duas semanas em uma dieta sem glúten, mas a cura pode levar até dois anos, diz ele.

Uma vez que tantas atividades sociais giram em torno da comida, comunique aos amigos e familiares que  você excluiu o glúten da dieta. "Eu digo às pessoas para que eles possam entender o porque de recusar convites para restaurantes ou funções onde possa ser impossível para mim comer", diz Shannon Myers, 53, de Scottsdale, Arizona, com diagnóstico aos 50 anos, e também é membro do conselho consultivo do Beyond Celiac.


10 - Você pode precisar de alguma orientação sobre sua dieta sem glúten


Uma dieta sem glúten é o único tratamento, mas você também pode precisar de suplementos vitamínicos e minerais. Por exemplo, como o Dr. DeMeo explica, as deficiências de ácido fólico e ferro são dois problemas comuns em pessoas com doença celíaca. O dano intestinal também pode levar a problemas na absorção de cálcio ou B12, uma vitamina que ajuda você a se sentir energizado. Fale com o seu médico sobre suas necessidades específicas e considere consultar com um nutricionista especializado em doença celíaca que pode responder a perguntas sobre a alimentação sem glúten, diz  Dr. Guandalini.

Você provavelmente não precisará tomar suplementos para sempre, desde que você mantenha uma dieta equilibrada, diz o Dr. DeMeo. Uma vez que seu revestimento intestinal começa a curar, você não terá os problemas que levam às deficiências em primeiro lugar, e os exames de sangue provavelmente mostrarão que seus níveis de vitamina estarão ao seu critério. O Dr. DeMeo diz que faz exames uma vez por ano em seus pacientes para verificar os níveis de vitamina e uma vez a cada dois anos para uma análise da densidade óssea se tiverem deficiência de nutrientes.


11- O movimento sem glúten nem sempre é útil


Chamar a dieta sem glúten de uma tendência é uma triste verdade. Na verdade, 2,6 milhões de pessoas que não possuem doença celíaca seguem uma dieta sem glúten, diz o Dr. Guandalini. Com essa grande base de consumidores, as empresas estão aumentando a produção glúten free e é mais fácil do que nunca encontrar menus sem glúten em restaurantes. Isso "desfigura a necessidade rigorosa de um paciente viver livre de glúten", diz ele. Se um garçom em um restaurante acha que você faz dieta sem glúten para perder peso, ele pode não ser tão inflexível quanto a garantir que seus alimentos não estejam contaminados. Os pacientes precisam expressar a severidade da sua situação. "Eu faço a pergunta - O que é seguro para comer aqui?", colocando uma carga extra para o garçom pensar seriamente sobre o que posso comer", diz Myers.

Além disso, enquanto essas novas escolhas de supermercados e restaurantes são excelentes para pacientes celíacos, eles também podem induzir as pessoas a seguir uma dieta sem glúten quando não precisam, diz o Dr. DeMeo. De acordo com pesquisas recentes publicadas na revista BMJ, fazer isso pode ter o efeito surpreendente de aumentar seu risco de doença cardíaca  possivelmente porque evitar o glúten pode significar evitar grãos integrais, diminuindo a ingestão de fibras e maior uso de farinhas refinadas sem glúten.

12- Você provavelmente ainda pode usar maquiagem que contenha glúten***


Com a expansão do mercado livre de glúten, você pode ter certeza de que as empresas de beleza começaram a participar, oferecendo um monte de produtos feitos sem glúten. Felizmente, na maioria dos casos, você não precisa ser tão radical. O glúten deve ser ingerido para que ele faça danos, diz o Dr. Guandalini. Shampoo, creme facial, cremes e similares são seguros para pessoas com doença celíaca, e você não precisa se preocupar em procurar glúten no rótulo, embora alguns pacientes ainda optem por evitar tais produtos com glúten neles. Por outro lado, é mais provável que você engula batom ou pasta de dente, então esses produtos devem ser sem glúten.

*** Essa não é uma posição defendida pela autora desse Blog - embora não haja Evidências Científicas sobre contaminação através de produtos de higiene e cosméticos, as Evidências Celíacas (relatos de celíacos) recomendam ficarmos longe daqueles que usam proteínas do trigo, cevada, centeio e aveia na sua composição.


13- Pode haver surpresas após um diagnóstico de doença celíaca


Às vezes, os sintomas da doença celíaca são tão maliciosos que os pacientes não os percebem até depois de terem sido diagnosticados. Um exemplo que o Dr. Leffler ouve falar dos pacientes é a "neblina" do cérebro. Quando param de comer glúten, eles percebem que um sentimento sombrio desaparece. Outros lhe disseram que achavam que estavam sofrendo sintomas de demência precoce. Se esses pacientes ficam expostos ao glúten novamente, a nconfusão e letargia mental volta a aparecer e eles percebem que é um sintoma da doença celíaca, ele diz.

Depois, há as mudanças físicas. Depois que ela curou, Myers não podia mais comer o que queria, sem ganhar peso. Pós-diagnóstico, ela recuperou peso em três anos. Esse foi um efeito colateral positivo do tratamento, com certeza, já que seu corpo estava finalmente absorvendo seus alimentos adequadamente.


14 - Outros tratamentos para doença celíaca estão no horizonte


Desenvolvimentos emocionantes estão em curso para pacientes com doença celíaca, diz o Dr. Guandalini. Quando os pacientes celíacos geralmente comem fora do lar, há sempre o medo da contaminação cruzada por glúten. Uma droga em desenvolvimento permitiria que os pacientes celíacos tolerassem pequenas quantidades de glúten (embora certamente não o suficiente para comer um pão). As enzimas na medicação são pensadas para destruir o glúten antes de passar pelo estômago para o intestino delgado, ele explica.

Os pesquisadores também estão trabalhando em um possível tratamento do tipo vacina contra a doença celíaca, que envolve a injeção de uma pequena quantidade de glúten no paciente ao longo de um período de tempo - muito parecido com a forma como funcionam as vacinas de alergia. Ensaios clínicos estão em andamento em várias instalações de pesquisa, incluindo a Universidade de Chicago. "Estamos com o objetivo de descobrir se, com essa abordagem, podemos ajudar os pacientes a tolerar o glúten", explica o Dr. Guandalini.



Artigo original:

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

7 mitos sobre as dietas sem glúten que você não deve acreditar

Cynthia Sass, MPH, RD  29 de setembro de 2016
www.health.com

Tradução: Google  / Adaptação: Raquel Benati


 O glúten é ruim para sua saúde? Cortar o glúten irá levar a perda de peso? Você pode furar a dieta? 



A verdade sobre as dietas sem glúten

Se você ainda não experimentou fazer uma dieta sem glúten, eu aposto que você pensou nisso. Aproximadamente um terço dos americanos dizem que querem reduzir o glúten ou eliminá-lo de sua dieta, pelos números mais recentes. No entanto, como visto no filme hilariante de Jimmy Kimmel "What is Gluten?", a maioria das pessoas não tem idéia do que o glúten na verdade é - um tipo de proteína naturalmente encontrada no trigo, cevada e centeio.

Muitos estão confusos se teriam benefícios com o corte do glúten da dieta e não tem certeza no que isso implica. Alguns acreditam que tem que evitar todos os carboidratos. Outros pensam que, fazendo dieta sem glúten, os quilos a mais se derreterão (na verdade, você pode ganhar peso se não fizer isso direito). Aqui estão os fatos por trás dos equívocos mais comuns para que você possa fazer o certo pela sua cintura e saúde geral.

1

Mito: todo mundo precisa tirar o glúten da dieta.

Verdade: Seu corpo e sintomas devem orientá-lo.


Existem dois grupos de pessoas que absolutamente devem cortar o glúten. As pessoas que sofrem de doença celíaca (uma doença autoimune) devem eliminá-lo estritamente, porque mesmo pequenas quantidades fazem com que seu sistema imunológico seja danificado ou que suas vilosidades intestinais (minúsculas e pequenas estruturas que alinham o intestino delgado) sejam destruidas. Quando as vilosidades ficam danificadas, elas não podem absorver nutrientes corretamente, o que pode levar a dor e cansaço extremo. Se você tem doença celíaca (que pode ser diagnosticada com  exame de sangue e biópsia do intestino delgado), ficar longe do glúten é a única maneira de reverter o dano e garantir que obtenha dos alimentos os nutrientes que precisa.

E se você testar negativo para doença celíaca, mas se sentir mal humorado quando come pão, macarrão e outros? Você pode ter uma sensibilidade ao glúten não-celíaca (SGNC), que pode causar erupções cutâneas, inchaço, confusão e letargia mental e fadiga. Não há um teste universalmente aceito para essa condição, então, se você acha que tem essa sensibilidade, a única solução é evitar completamente o glúten e monitorar como você se sente; consulte um nutricionista especializado nas desordens relacionadas ao glúten para obter ajuda. (Adicionando à confusão, também é possível ser alérgico ao trigo, o que significa que se você tem uma reação imunológica que se mostra através de testes de alergia convencionais,  deve tirar o trigo da sua dieta, mas você ainda pode tolerar alimentos contendo glúten como cevada e centeio.)

2

Mito: Corte e seu corpo vai perder nutrientes importantes.

Verdade: seu corpo não precisa de glúten.


O glúten é um tipo de proteína, e as proteínas podem ser obtidas de muitos outros alimentos, por isso é perfeitamente seguro renunciar, mesmo que não cause efeitos negativos. Um plano de alimentação sem glúten bem executado pode ser realmente uma estratégia inteligente para melhorar a qualidade da sua dieta. Muitas vezes, significa comprar menos alimentos processados ​​e comer mais alimentos frescos e ricos em fibras. Esse passo sozinho pode se traduzir em uma dieta melhor. Apenas não se esqueça das armadilhas - nem sempre produtos sem glúten são sinônimos de produtos saudáveis.

3

Mito: comer sem glúten levará a perda de peso.

Verdade: algumas pessoas perdem, outras ganham.


Sempre que você remove um item da sua dieta, existe o perigo de substituí-lo por algo que derruba seus esforços de perda de peso. É muito fácil exagerar em "lixo" sem glúten, como biscoitos e batatas fritas, pensando que você está sendo virtuoso. E algumas pessoas começam a comer porções maiores, acreditando que é tudo tão saudável que não importa (as calorias ainda contam). Além disso, evite trocar grãos refinados contendo glúten, como macarrão branco por grãos refinados sem glúten, como arroz branco, o que não faz nada para a sua perda de peso. Prefira grãos inteiros sem glúten.


4

Mito: você terá que dar adeus aos carboidratos.

Verdade: não é uma dieta sem carboidratos.


Batatas, batatas doces, inhame, abóbora e legumes (feijões, ervilhas e lentilhas) são todos ótimos alimentos sem glúten. Lanches com grão-de-bico assado no lugar de pães de farinha branca; assados com farinha de feijão branco em vez de farinha de uso geral; espaguete de abobrinha em vez de espaguete de massa de trigo.

Aliás, essas trocas podem ajudar a aumentar a sua ingestão de fibras e proteínas, fornecendo um espectro mais amplo de antioxidantes, vitaminas e minerais e diminuir as calorias. (Escolher espaguete de abobrinha a espaguete de trigo integral, por exemplo, corta muitas calorias e carboidratos).


5

Mito: não há mais cereais matinais 

Verdade: Quinoa, arroz integral e outros cereais são livres de glúten.


Boa notícia: você ainda pode comer quinoa, arroz negro e selvagem, trigo sarraceno, milho, teff, amaranto e sorgo. Substituir cereais refinados que contenham glúten com essas alternativas de cereais inteiros sem glúten devem elevar a ingestão total de fibras e nutrientes, bem como proteger sua saúde. Consumir mais cereais integrais está ligado a quase 15% menor mortalidade, particularmente de doenças cardíacas, de acordo com um estudo de Harvard 2015. Por sorte, as trocas são simples: faça tabule com quinoa ou milho ao invés de trigo; troque massas brancas feitas com farinha de trigo refinada por opções feitas com grãos integrais sem glúten, como arroz integral e quinoa, farinhas de teff ou sorgo.


6

Mito: você nunca pode furar a dieta.

Verdade: Você pode sair da dieta se não tiver alguma Desordem Relacionada ao Glúten
 ( doença celíaca , sensibilidade ao glúten não-celíaca ou alergia ao trigo).


Você pode ocasionalmente comer glúten? Isso é o que as pessoas sempre me perguntam. Elas mencionam que um amigo que faz dieta sem glúten às vezes quebra a restrição com um pedaço de pão ou fatia de pizza. Aqui está a minha opinião: se você fez essa mudança simplesmente para comer mais limpo, então sair da dieta de vez enquando, comendo algo contendo glúten está ok, desde que não desencadeie sintomas que te façam se sentir mal. Se, no entanto, você tem doença celíaca ou sensibilidade ao glúten,  não deve fazer isso. Hoje em dia já existem muitas opções livres de glúten.

7

Mito: o glúten está apenas nos cereais

Verdade: o glúten pode estar em alimentos que você não suspeitaria, 

adicionados para engrossar, encher ou estabilizar um produto.


Como a FDA (USA) não exige que os fabricantes citem o glúten por nome nas listas de ingredientes, pode dar algum trabalho de detetive para descobrir. Mas você pode encontrar a informação ao ler as letras pequenas  nos rótulos. Primeiro, verifique se há trigo, centeio e cevada. Em seguida, procure derivados desses alimentos, como farinha de rosca e malte. Fontes surpreendentes incluem:

• Sopas prontas 
• Substitutos de carne (como salsichas seitan ou faux) 
• Barras de energia 
• Vinagres de saladas 
• Batatas fritas 
• Molho de soja

Começa novo estudo para doença celíaca usando nanopartículas


Beyond Celiac ORG
19 de setembro de 2017

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati



Um tratamento potencial para doença celíaca foi aprovado para ensaios clínicos 




Um potencial tratamento para doença celíaca desenvolvido pela Cour Pharmacueticals foi aprovado para ensaios clínicos começando em quatro locais nos Estados Unidos. A empresa especializada em farmacêutica, que se concentra em doenças autoimunes, alérgicas e inflamatórias, usando suas nanopartículas patenteadas, chamado TIMP-GLIA, recebeu aprovação para faixas de Fase 1 da US Food and Drug Administration (FDA) em agosto. 

O que é TIMP-GLIA e como funciona para controlar a doença celíaca?


TIMP-GLIA é uma abreviatura para as nanopartículas patenteadas desenvolvidas pela Cour Pharmaceuticals que contêm fragmentos de proteína do glúten - gliadina, que demonstrou estimular a resposta autoimune na doença celíaca. Normalmente, esses fragmentos de gliadina passam pela parede intestinal e ativam a resposta imune, causando inflamação e danos nas células intestinais. No entanto, com base na pesquisa de Cour em modelos animais de doença celíaca, encapsulando fragmentos de gliadina em nanopartículas e entregando-as através da corrente sanguínea (por meio de uma única dose intravenosa) ao fígado e ao baço onde nascem células T imunes, o sistema imunológico pode ser enganado em aceitar a gliadina como parte normal da nossa dieta. Esse processo é referido como induzindo tolerância imune.

O que a Cour espera aprender com o seu ensaio clínico de Fase 1 e quanto tempo durará?


Ensaios clínicos geralmente seguem um formato padrão. A Fase 1 é projetada para avaliar o perfil de segurança e tolerabilidade de uma nova terapia em seres humanos. Antes de qualquer nova terapia poder ser testada na clínica, deve primeiro ser submetida a uma rigorosa bateria de testes de toxicidade e avaliação de dados pelo FDA para minimizar qualquer risco potencial. No entanto, o teste no laboratório nunca pode prever completamente a resposta humana. Portanto, na clínica, o primeiro paciente recebe uma dose muito baixa e é monitorado de perto para quaisquer reações adversas. Se, como previsto, não há resposta adversa, então a dose é aumentada com cada paciente adicional até atingir o intervalo terapêutico normal. Finalmente, os pacientes recebem múltiplas doses para combinar o regime de dosagem planejado. A Cour espera que o estudo da Fase 1 seja concluído em 2018.


Como a TIMP-GLIA é diferente da dieta sem glúten?


A remoção de glúten da dieta é atualmente o único tratamento para a doença celíaca. A maioria das pessoas com doença celíaca tem dificuldade em evitar completamente a exposição acidental ao glúten, tornando a dieta sem glúten um tratamento imperfeito, na melhor das hipóteses. O TIMP-GLIA deve funcionar mais como uma vacina, onde protegerá alguém da reação à exposição à gliadina, uma vez que a tolerância imune seja estabelecida. Essa tolerância deve durar um período prolongado de tempo. Quanto tempo durarão os efeitos e se eles variarem de pessoa para pessoa, serão parte de futuros estudos clínicos.

Qual é a melhor maneira de participar neste ensaio clínico ou futuros estudos clínicos?


Um ensaio clínico bem sucedido depende de encontrar os participantes certos rapidamente. As empresas, como a Cour Pharmaceuticals, freqüentemente vêm ao Beyond Celiac quando querem encontrar participantes qualificados para seus ensaios clínicos porque entendemos o quão importante isso é e podemos conectar pacientes idosos interessados ​​e apropriados com pesquisadores. Todo estudo tem critérios de seleção específicos, tanto para inclusão e exclusão:
  • o tratamento sendo testado
  • a fase de teste a ser conduzida
  • o número e a localização dos locais de estudo

Embora você não seja qualificado para um estudo específico porque não vive perto de um local de estudo atual ou não cumpre os critérios atuais do estudo, isso não significa que você não seria elegível para estudos futuros ou a próxima fase deste estudo.



sábado, 16 de setembro de 2017

Desmascarando 4 grandes mitos celíacos

Alice Bast
Beyond Celiac - CEO

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati


Pessoas com doença celíaca esperam em média até 10 anos para obter um diagnóstico preciso. Quando eles recebem o diagnóstico, freqüentemente são apenas avisados ​​para parar de comer glúten e abrir o "Google" para obter mais informações.

Para muitos de nós, a internet é o nosso salva-vidas, dando-nos acesso a receitas sem glúten e possibilidade de nos conectarmos com outras pessoas que compartilham nossas experiências. No entanto, paralelamente a essa riqueza de informações, vem uma grande quantidade de informações erradas.

Não é surpresa que os mitos sobre a doença celíaca circulem na internet. Esses mitos levam as pessoas a fazer suas próprias hipóteses sobre como essa informação se aplica às suas vidas. A equipe Beyond Celiac trabalha com pesquisadores de todo o mundo para se manter atualizada com o melhor das pesquisas sobre doença celíaca. Aqui, identificamos quatro mitos que circulam atualmente.

1. Mito: a modificação do trigo aumentou a prevalência da doença celíaca.


Os pesquisadores não sabem por que a doença celíaca está em ascensão. O que eles sabem é que a modificação do trigo provavelmente não é responsável por isso. Em 2013, o especialista em doença celíaca, Donald Kasarda, PhD, divulgou os resultados do estudo que mostrou que a modificação do trigo não resultou em proteína adicional de glúten no produto acabado.

Para determinar isso, Kasarda estudou dados sobre trigo dos séculos XX e XXI. Ele descobriu que não aumentou o teor de glúten no trigo. O que ele achou, no entanto, é que tem havido um uso crescente de "glúten vital" nos alimentos. Esta é uma proteína de glúten concentrada que pode ser adicionada para tornar os produtos mais fofos e dar-lhes mais elasticidade.

Embora isso não seja resultado da modificação do trigo, o aumento da doença celíaca coincidiu com o aumento do uso de glúten vital adicional. Kasarda enfatiza que é necessário mais pesquisas e, enquanto o glúten vital é encontrado em mais produtos, ainda não é uma parte importante da ingestão total de glúten resultante da ingestão de produtos à base de farinha de trigo. Em última análise, os pesquisadores ainda estão procurando respostas para a questão de porque a doença celíaca é mais comum hoje.

2. Mito: o  atraso na introdução do glúten na dieta de uma criança pode prevenir a doença celíaca.


Em 2015, uma equipe de pesquisadores examinou 15 estudos realizados sobre esse tema. O que eles descobriram foi que as crianças que receberam glúten pela primeira vez após seis meses de idade tiveram uma chance 25% maior de desenvolver doença celíaca. Atualmente, as recomendações pediátricas dizem que a introdução de glúten deve ocorrer entre quatro e seis meses de idade.

Em uma entrevista do Beyond Celiac com o especialista Dr. Stefano Guandalini, ele sugeriu que a melhor janela pode ser entre cinco e seis meses de idade e que não há provas científicas de que a introdução precoce do glúten (adicionando glúten à dieta em três meses ou mais idade) aumenta as chances de prevenir a doença celíaca.

3. Mito: o aleitamento materno pode prevenir a doença celíaca.


A amamentação é recomendada pelos médicos por uma variedade de razões de saúde. No entanto, prevenir a doença celíaca não é uma delas.

Na revisão do estudo de 2015, os pesquisadores descobriram que o aleitamento materno versus a não amamentação não desempenhava nenhum papel no desenvolvimento da doença celíaca. Embora não seja possível prevenir a doença celíaca, a amamentação ainda é recomendada pelos médicos pelos benefícios que ela proporciona às mães e seus bebês.

4. Mito: ensaios clínicos para estudar novos tratamentos de doença celíaca

 são desnecessários porque a dieta isenta de glúten é a cura.


A dieta sem glúten é literalmente um salva-vidas para pessoas com doença celíaca, mas não é uma cura. De acordo com o Dr. Joseph Murray da Clínica Mayo, até 70% das pessoas com doença celíaca continuam expostas ao glúten, apesar das melhores tentativas de permanecerem estritamente sem glúten. A evidência na pesquisa é clara: a dieta sem glúten sozinha não é suficiente.

Existem vários ensaios clínicos em andamento que procuram complementar ou substituir a dieta sem glúten. Embora esses avanços sejam extremamente excitantes, é importante saber que outras pesquisas são importantes. Embora o envolvimento de pessoas com doença celíaca seja crítico para os ensaios de drogas, a participação ainda é necessária em outras áreas de pesquisa, tais como: desenvolver novos exames de sangue ou outras ferramentas de diagnóstico, ou aprender mais sobre sintomas e condições associadas.

As oportunidades para participar podem incluir pesquisas, grupos focais e outros compartilhamentos de informações para ajudar os pesquisadores a entender melhor uma variedade de áreas associadas com a vida com doença celíaca.

Separar o que é mito e  que é fato pode parecer difícil, especialmente quando você foi recentemente diagnosticado com doença celíaca. As informações devem ser baseadas em evidências científicas. Busque sempre fontes confiáveis sobre os fatos relacionados à doença celíaca e sua saúde.


Fonte original

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Transtornos alimentares podem estar relacionados com Doença Celíaca?

Gluten Free Health Blog Team

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati



Como a ligação entre a doença celíaca e as condições psicológicas está se tornando cada vez mais clara, não deve ser uma surpresa que os pesquisadores tenham identificado uma conexão entre transtornos alimentares, como anorexia e bulimia e doença celíaca. Afinal, ambas as condições têm a dieta do paciente como o ponto central e deixam muitos pesquisadores a se perguntar se os distúrbios alimentares podem estar relacionados com doença celíaca.

Não é uma conexão fácil para detectar


No entanto, este link nem sempre é direto: em alguns pacientes, pode ser um caso genuíno de sofrimento tanto de doença celíaca como de transtorno alimentar, enquanto que em outros, é um caso de diagnóstico errado, com a doença celíaca "disfarçada" como anorexia ou bulimia. Não é surpreendente que a doença celíaca não diagnosticada geralmente resulte em perda de peso por desnutrição. Esses pacientes experimentam perda de peso mesmo comendo grandes quantidades de alimentos por dia. Um sinal de que esse tipo de perda de peso não se deve a um transtorno alimentar, mas é um indicador da doença celíaca. Para aumentar a confusão, alguns pacientes celíacos acabam desenvolvendo um transtorno alimentar desencadeado pela dieta restritiva livre de glúten, enquanto que para outros, hábitos alimentares ruins podem desencadear a doença celíaca.

É uma tarefa quase impossível para os médicos diferenciar entre cada caso e oferecer um diagnóstico adequado, que pode atrasar o tratamento e o apoio ao paciente, se necessário. Pode ser muito difícil entender se o paciente tem um transtorno alimentar real; apenas aversão a alimentos causados ​​pela doença celíaca ou ambos.

Pode ser um desafio para pacientes com ambas as condições


Se enfrentar qualquer condição por si só pode ser difícil, quanto mais os pacientes que estão lutando com ambas as condições, tornando-se um duplo desafio. Um distúrbio alimentar já deixa os pacientes ansiosos e estressados ​​sobre o que eles comem, e a doença celíaca acrescenta um novo medo de comer algo com glúten perigoso para a saúde e que pode desencadear uma reação ao glúten.

Isso torna a conformidade alimentar com uma dieta sem glúten ainda mais urgente, mas muitas vezes resulta em ganho de peso, especialmente se depender de alimentos altamente processados. Este é o medo número um para pacientes com transtorno alimentar, que podem decidir sacrificar sua própria saúde para garantir a perda de peso contínua.

Na verdade, para alguns pacientes, receber um diagnóstico de doença celíaca só piora seu transtorno alimentar. Alguns usam seu status celíaco como uma "desculpa conveniente" para não comer e alguns até chegam a consumir glúten intencionalmente para facilitar a perda de peso.

Talvez, seja aqui que uma detecção precoce da doença celíaca evite que o transtorno alimentar se desenvolva. Além disso, classificar aqueles com distúrbios alimentares que devem ser testados para doença celíaca poderia evitar o desenvolvimento de sintomas dolorosos e desconfortáveis, como desconforto abdominal ou diarreia.

É verdade que os profissionais de saúde estão se tornando mais conhecedores da doença celíaca, mas também é vital desenvolver habilidades para detectar outras condições que possam estar associadas a esta doença. Com o campo da medicina personalizada crescendo rapidamente, esta é uma situação ideal para desenvolver abordagens criativas e individuais para tratar cada paciente, envolvendo nutricionistas, gastroenterologistas e psicólogos.


Original:

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Diagnóstico correto é crítico na vida dos pacientes que tem desordens relacionadas ao glúten

Por Amy Ratner
Beyond Celiac Org

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati


Uma revisão de 5 anos de estudos mostra que a doença celíaca e a sensibilidade ao glúten não-celíaca são distintas, com o diagnóstico impactando diretamente o tratamento a longo prazo



É importante que os médicos façam distinção entre a doença celíaca e a sensibilidade ao glúten não-celíaca devido ao impacto que o diagnóstico correto tem no tratamento a longo prazo, concluíram os pesquisadores depois de revisar mais de cinco anos de estudos em ambas as condições.

Em um artigo publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA)**, especialistas do "Center for Celiac Research and Treatment at Mass General Hospital for Children" também pediram acompanhamento próximo para pacientes com doença celíaca para monitorar o quão bem eles estão seguindo a dieta, se eles têm deficiências nutricionais e se estão desenvolvendo comorbidades.

  • Comorbidade: quando dois distúrbios ou doenças ocorrem na mesma pessoa, simultaneamente ou sequencialmente. A comorbidade também implica interações entre as doenças que afetam o curso e o prognóstico de ambos.


A adesão estrita à dieta isenta de glúten é crítica, com o artigo observando que vestígios de glúten, tipicamente de contaminação cruzada, podem ser tão prejudiciais quanto não seguir a dieta.

Os especialistas da doença celíaca reconhecem o perigo de exposição a quantidades mínimas de glúten e estão pesquisando tratamentos que seriam utilizados além da dieta para proteger melhor os pacientes com doença celíaca. Beyond Celiac acaba de lançar o Go Beyond Celiac, uma comunidade digital destinada a acelerar as opções de tratamento, coletando dados críticos sobre a doença celíaca, que de outra forma não serão rastreados e conectando pacientes e pesquisadores para ensaios clínicos.

O artigo de JAMA também conclui que não há evidências científicas que sugiram que uma dieta sem glúten é parte de uma dieta mais saudável ou útil no tratamento da obesidade.

Alessio Fasano, MD, diretor do Centro de Doença Celíaca e autor do artigo, disse que os fatos sobre a dieta sem glúten são mais necessários do que nunca.

"Com o rápido aumento da popularidade da dieta livre de glúten e o aumento dos transtornos relacionados ao glúten em geral, é ainda mais crítico fornecer informações precisas aos profissionais de saúde e indivíduos sobre o possível papel do glúten nos transtornos de saúde", disse ele.  "Nosso objetivo foi fornecer uma visão abrangente para o diagnóstico e tratamento da doença celíaca e sensibilidade ao glúten não-celíaca".

A atualização dos pesquisadores baseada em evidências, sobre a fisiopatologia, diagnóstico, tratamento e implicações da doença celíaca e sensibilidade ao glúten observou os seguintes pontos relacionados à doença celíaca:

  • A doença celíaca ocorre em cerca de 1% da população em geral, com algumas diferenças regionais.
  • Testes aprimorados para diagnosticar a doença celíaca resultaram em medição mais precisa da sua prevalência e ajudaram a estabelecer isso como uma doença autoimune sistêmica que pode ocorrer em qualquer idade, com sintomas intestinais e outros, incluindo 23 descritos no estudo.
  • A anemia ferropriva é o segundo sintoma clínico mais comum da doença celíaca em adultos. A diarréia é a primeira. Em crianças, o crescimento fraco, a puberdade tardia e os defeitos do esmalte dentário podem ser sintomas da doença celíaca.
  • O teste de IgA tTG deve ser feito primeiro quando se suspeita de doença celíaca. A evidência mostra que é uma ferramenta de triagem "excelente". Uma biópsia do intestino delgado que mostra a atrofia das vilosidades confirma o diagnóstico.
  • A doença celíaca ocorre com mais freqüência em grupos de risco, incluindo aqueles com diabetes tipo 1, doença tireoidiana autoimune, síndromes Down, Turner e Williams, deficiência de IgA e nefropatia e artrite idiopática juvenil.
  • Os membros da família de primeiro grau têm uma freqüência de 15 a 25 vezes maior de desenvolver doença celíaca. Os grupos de gastroenterologia para adultos e pediátricos nos Estados Unidos recomendam a seleção de parentes de primeiro grau, sejam eles sintomáticos ou não. Se os exames de sangue iniciais forem negativos, recomenda-se testes repetidos durante toda a vida dos familiares. Mas os pesquisadores observam que a Força-Tarefa dos Serviços Preventivos dos EUA concluiu recentemente que não há evidências suficientes para justificar o rastreio de pessoas sem sintomas, incluindo membros da família de primeiro grau. A força-tarefa disse que evidências sobre benefícios e riscos de triagem são inadequadas.
  • O teste de genes HLA-DQ2 e HLA-DQ8 pode ser útil para determinar se os grupos de alto risco precisam ser testados para doença celíaca. Ausência dos genes exclui a doença celíaca. A presença de genes sozinhos não indica doença celíaca, já que 40% da população geral os possui. O teste de anticorpos da doença celíaca ainda é necessário para o diagnóstico.

(Observação do Blog Dieta sem Glúten
pesquisa brasileira mostra que uma pequena parcela dos celíacos brasileiros são negativos para HLA DQ2 -DQ8 , mas apresentam sorologia positiva, atrofia de vilosidades e melhora do quadro clínico com adoção de dieta isenta de glúten -  -http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1130-01082014000800015&lng=es&nrm=iso - Dra Lorete Kotze)

  • Quando alguém tem doença celíaca, um processo inflamatório começa quando o sistema de vigilância imune reconhece erroneamente o glúten como agente patogênico.
  • A imunidade inata desempenha um papel crítico no início da doença celíaca e, possivelmente, da sensibilidade ao glúten.
  • Na doença celíaca, a imunidade adaptativa entra em jogo quando os péptidos de glúten selecionados ativam células T que se multiplicam, causando danos às células epiteliais intestinais. As projeções em forma de dedo no intestino delgado são embotadas e os sulcos entre as vilosidades se aprofundam.

Antígeno: qualquer substância que faça com que seu sistema imunológico produza anticorpos contra ele.

Células epiteliais intestinais: células que definem a fronteira entre os tecidos do intestino e o ambiente externo. Eles recebem e interpretam invasão do lúmen intestinal e indicam aos tecidos se vai ocorrer inflamação.

Imunidade inata:  mecanismos de defesa inespecíficos que entram em prática imediatamente ou a poucas horas da aparecimento do antígeno no corpo. Esses mecanismos incluem barreiras físicas como a pele, produtos químicos no sangue e células do sistema imunológico que atacam células estranhas no corpo. A resposta imune inata é ativada por propriedades químicas do antígeno.

Imunidade adaptativa: uma resposta imune específica do antígeno. A resposta imune adaptativa é mais complexa do que a inata. Primeiro, o antígeno deve ser processado e reconhecido. Uma vez que um antígeno foi reconhecido, o sistema imune adaptativo cria um exército de células imunes especificamente projetadas para atacar esse antígeno. A imunidade adaptativa também inclui uma "memória" que torna as respostas futuras contra um antígeno específico mais eficientes.

A dieta sem glúten é atualmente o único tratamento para a doença celíaca e a sensibilidade ao glúten. Os pacientes com doença celíaca devem seguir a dieta para toda a vida. Ambos os pacientes com doença celíaca e sensibilidade ao glúten precisam ser monitorados por um gastroenterologista e nutricionista com conhecimento sobre a dieta livre de glúten por causa dos desafios que a dieta apresenta e dos danos que até o traço de glúten apresenta.

Para pacientes com doença celíaca, os marcadores nutricionais devem ser avaliados no diagnóstico e achados anormais reavaliados após o paciente ter estado na dieta sem glúten por um ano. Os anticorpos da doença celíaca devem ser medidos a cada 6 a 12 meses após o diagnóstico até que eles se normalizem, o que é interpretado como um sinal de que o intestino se curou. Um recente estudo do Beyond Celiac descobriu que 1 em cada 4 pacientes diagnosticados nos últimos cinco anos não obteve o acompanhamento necessário com seu médico ou nutricionista.

Embora os testes de anticorpos sejam usados ​​para monitorar se um paciente com doença celíaca está seguindo a dieta livre de glúten e a cicatrização intestinal está ocorrendo, os testes não foram validados para este propósito. Um estudo recente mostrou que a sensibilidade do teste antitransglutaminase na identificação da doença celíaca persistente depois que um paciente iniciou uma dieta isenta de glúten varia de 43 a 83%.

Uma vez que os exames de sangue atuais podem ser inadequados na predição da recuperação intestinal em pacientes com doença celíaca que seguem uma dieta sem glúten, uma endoscopia de seguimento para medir a recuperação é recomendada em alguns centros de doença celíaca.

A dieta sem glúten de eliminação, que permite apenas frutas frescas, vegetais, carne e condimentos limitados, é uma opção de tratamento para pacientes com doença celíaca que sofrem dano persistente nas vilosidades intestinais apesar de seguir uma dieta típica sem glúten. O uso de imunossupressores é outra opção. O monitoramento por um gastroenterologista com experiência em doença celíaca é necessário em ambos os casos.

O risco cumulativo de desenvolver outras doenças autoimunes é reduzido em pacientes com doença celíaca após uma dieta sem glúten em comparação com pacientes que não seguem a dieta por pelo menos 10 anos.


A revisão recente de dados de estudos múltiplos, chamada meta-análise, sugeriu que o risco geral de malignidade em pacientes com doença celíaca não era elevado em comparação com o risco nos controles gerais da população. No entanto, cancros individuais, tais como linfoproliferação e cancros gastrointestinais, podem ainda estar associados positivamente com a doença celíaca.

**http://jamanetwork.com/journals/jama/article-abstract/2648637 
Celiac Disease and Nonceliac Gluten Sensitivity - A Review
Maureen M. Leonard, MD, MMSc; Anna Sapone, MD, PhD; Carlo Catassi, MD, MPH; et al Alessio Fasano, MD
JAMA. 2017;318(7):647-656. doi:10.1001/jama.2017.9730

Fonte original:

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Manifestações orais em indivíduos com doença celíaca

Jornal APDC Abril de 2016 - página 10
Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas

Texto: Fernanda Carvalho

Defeitos da superfície de esmalte, atraso na erupção dos dentes e 

aftas recorrentes são as principais alterações causadas pela doença


Dificilmente associaríamos o diagnóstico de doenças gastrointestinais em uma visita ao Cirurgião-Dentista. Contudo, no caso da doença celíaca - uma intolerância permanente ao glúten em pessoas geneticamente propensas - o profissional de Odontologia pode desconfiar da existência deste problema no indivíduo.

De acordo com a consultora técnica da FENACELBRA (Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil) na área de Odontologia, Camila Heitor Campos a "doença celíaca (DC) é uma doença autoimune, caracterizada pela intolerância permanente ao glúten, proteína presente no trigo, centeio, cevada e aveia. A ingestão do glúten leva à atrofia das vilosidades intestinais o que altera a absorção de nutrientes. Além disso, a presença de autoanticorpos pode causar danos a outros órgãos e estruturas. Geralmente, a doença se manifesta ainda na infância, mas os primeiros sintomas podem surgir em qualquer idade, inclusive em adultos", esclarece.

Os sintomas e primeiros sinais da doença são diversos, sendo mais frequentes os indícios gástricos como diarreia cronica ou prisão de ventre, distensão e/ou dor abdominal, falta de apetite e vômitos. "Como sintomas não gástricos encontram-se a anemia, perda ou ganho de peso sem causa aparente, atraso no crescimento, alteração de humor (irritabilidade ou desanimo), aftas de repetição, dermatites, osteoporose, osteopenia e ate mesmo infertilidade. Outros sintomas menos frequentes, como dores de cabeça recorrentes, sonolência excessiva, dor muscular e articular, e outras doenças autoimunes podem estar presentes", relata a especialista.

O 1° secretário do Departamento de Gastroenterologia da Associação Paulista de Medicina (APM), Wilson Roberto Catapani, completa sobre os sintomas da doença. "Na forma clássica, os primeiros sintomas ocorrem tão logo quando a criança introduz o glúten na dieta, o que em geral ocorre por volta dos oito meses de idade. A partir de então, a criança apresenta-se irritadiça, começa a ter diarreia crônica com perda de peso, atrofia muscular e desnutrição. Na forma do adulto, estes sintomas podem ser subclínicos e não serem tão evidentes, muitas veze ocorrendo uma anemia crônica de origem obscura ou quadros diarreicos que podem se confundir com outras situações muito frequentes como a síndrome do intestino irritável", diz. 

Camila Heitor Campos considera alguns pontos relevantes sobre a doença celíaca. "Questione sobre outros sintomas clínicos de DC, incluindo dor abdominal, diarreia, perda de peso, crescimento deficiente, anemia e fadiga extrema. Lembre-se que a ausência destes sintomas não descarta a doença celíaca; Informe-se sobre a presença de outras doenças autoimunes, especialmente diabetes tipo 1 e tireoidite. Estas patologias aumentam ainda mais a probabilidade de DC; Ter um parente de primeiro ou segundo grau com a DC também aumenta a probabilidade de um diagnóstico positivo".

Segundo a Cirurgiã-Dentista e professora do curso Dentística com enfase em Estética da APCD-IESP, Alessandra Pereira de Andrade, "o diagnóstico da doença celíaca está baseado nos seguintes pilares: o exame clinico e anamnese detalhada, além da análise histopatológica do intestino delgado, e dos marcadores séricos. O diagnóstico final deve sempre se basear na biópsia que revela a mucosa anormal do intestino delgado proximal, com as vilosidades atrofiadas ou ausentes, aumento no comprimento das criptas e no número de linfócitos intra-epiteliais". Ela ainda salienta que o único tratamento possível e eficaz em todas as formas clínicas é o dietético, "devendo-se excluir o glúten da alimentação durante toda a vida o que leva à remissão dos sintomas e restauração da morfologia normal da mucosa".

Por um lado, a grande variação nos sintomas - ou mesmo ausência deles -, aliada à falta de conscientização sobre a doença tornam o diagnóstico difícil. Por outro, no entanto, alguns indicadores podem nos dar dicas sobre a existência da doença, facilitando assim o diagnóstico precoce. Dentre estes, estão alguns aspectos de nossa saúde bucal.

Manifestações orais da doença celíaca




A Doença Celíaca (DC) apresenta algumas manifestações bucais que podem levar o Cirurgião-Dentista a suspeitar da doença e contribuir com o diagnóstico. A Consultora Técnica da Fenacelbra prossegue: "as principais manifestações são a presença de defeitos de esmalte, atraso na erupção dos dentes e aftas recorrentes. Outras manifestações menos comuns são o líquen plano oral, herpes de repetição e glossite atrófica".

De acordo com Alessandra Pereira de Andrade os defeitos de esmalte mais frequentemente encontrados na DC são a hipoplasia e hipomineralização de esmalte, provavelmente secundários a deficiências nutricionais e distúrbios do sistema imunológico durante o período de formação do esmalte. "Dentre as alterações relatadas na literatura, a hipoplasia do esmalte dental é o achado clínico mais frequentemente encontrado na forma clínica silenciosa, sendo possivelmente a única manifestação da doença em crianças e adolescentes celíacos não tratados".

A hipoplasia do esmalte é uma formação incompleta ou deficiente da matriz orgânica do esmalte. Clinicamente, apresenta-se como manchas esbranquiçadas, rugosas, sulcos ou ranhuras, bem como, outras alterações na estrutura do esmalte, comprometendo a estética do sorriso. "Estas lesões são assintomáticas e só serão submetidas a algum tipo de intervenção por motivos estéticos. Estes defeitos são mais comumente encontrados na dentição permanente e tendem a aparecer de forma simétrica em todos os quatro quadrantes, geralmente em incisivos e malares. São comuns em crianças que desenvolvam sintomas de doença celíaca antes dos sete anos idade, entretanto, a presença de defeitos no esmalte dentário pode ser o único sintoma encontrado em algumas crianças, sendo, portanto, uma ferramenta de rastreio.

Já a consultora técnica da Fenacelbra ressalva que "o retardo na erupção dentária e um sinal não específico, mas tem sido relatado em até 27% dos pacientes com DC, possivelmente relacionado à desnutrição causada pela doença".

Outra complicação observada na cavidade bucal em pacientes portadores de doença celíaca são as alterações na mucosa bucal. Alessandra Pereira completa dizendo que os principais sinais bucais da doença são queilite angular, glossite, língua despapilada, eritema ou ulcerações localizadas nos lábios, palato, mucosa ou língua. As úlceras são o tipo mais comum de lesão bucal, relatada na literatura apresentando-se sob a forma papular ou erosiva, geralmente com a margem eritematosa. Ainda não está claro se as lesões bucais representam uma manifestação direta da doença celíaca ou se devido aos efeitos indiretos da ma absorção sobre as células da camada basal da mucosa que estão em processo de divisão já predispostas a irritação por uma doença preexistente".

Outra possível patologia bucal que pacientes com doença celíaca parecem apresentar com mais frequência que pacientes não portadores é a ocorrência de cárie dental associada a síndrome da boca seca. "Essa situação pode ser causada pela síndrome de Sjogren, uma doença autoimune que ataca as glândulas salivares e que pode ocorrer ao mesmo tempo que a doença celíaca. De acordo com a National Foundation for Celiac Awareness, entre 4,5 e 15% das pessoas com doença celíaca também possuem síndrome de Sjogren", conclui a Cirurgiã-Dentista.