sexta-feira, 12 de maio de 2017

Manifestações Cutâneas da Sensibilidade ao Glúten Não Celíaca: Características clínicas histológicas e imunopatológicas

Veronica Bonciolini , Beatrice Bianchi , Elena Del Bianco , Alice Verdelli e Marzia Caproni 

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati






As manifestações dermatológicas associadas a doenças intestinais estão se tornando mais freqüentes, especialmente agora quando novas entidades clínicas, como a Sensibilidade ao Glúten Não Celíaca (SGNC), são identificadas. A existência desta nova entidade ainda é debatida. No entanto, muitos pacientes com diagnóstico de SGNC que apresentam manifestações intestinais têm lesões cutâneas que necessitam de caracterização adequada.

Métodos: Participaram 17 pacientes afetados pela SGNC com manifestações cutâneas não-específicas que ficaram muito melhores após uma dieta sem glúten. Para avaliação histopatológica e imunopatológica, foram coletadas duas amostras de pele de cada paciente e seus dados clínicos.

Resultados: A média de idade dos 17 pacientes inscritos afetados pela SGNC foi de 36 anos e 76% eram do sexo feminino. Nas superfícies extensoras dos membros superiores e inferiores em particular, todos apresentaram manifestações dermatológicas pruriginais  morfologicamente muito semelhantes ao eczema, psoríase ou dermatite herpetiforme. Esta similaridade também foi confirmada histologicamente, mas a análise imunopatológica mostrou a prevalência de depósitos de C3 ao longo da junção dermo-epidérmica com padrão microgranular / granular (82%).

Conclusão: A caracterização exata de novas entidades clínicas como a  SENSIBILIDADE CUTÂNEA AO GLÚTEN (SCG) e SGNC é um objetivo importante tanto para fins diagnósticos como terapêuticos, uma vez que estes são pacientes que realmente se beneficiam de uma dieta sem glúten e que não a adotam somente para moda.


(...)

Discussão
Estamos cientes das limitações deste estudo decorrentes, do número limitado de pacientes matriculados, mas usamos critérios de exclusão bem apertados, pois não incluímos pacientes com diagnóstico incerto de SGNC.

O quadro clínico comum a todos os pacientes envolvidos neste estudo, bem como o isolado de nossa experiência clínica, foi o prurido intenso. Foi difícil de tratar com terapias tópicas e sistêmicas padrão, mas mostrou pronta resolução quando a Dieta sem Glúten foi introduzida: a reação foi mais rápida do que em pacientes com Dermatite Herpetiforme - DH (manifestação celíaca na  pele). 

Morfologicamente, as lesões foram polimórficas, em termos de desenvolvimento. De fato, inicialmente elas eram principalmente eritematosas e papulo-vesiculares como eczema e DH, então mais tarde, talvez devido a um arranhão constante, eles pareciam psoriáticos. Além disso, semelhantes às DH, as lesões foram localizadas mais freqüentemente nas superfícies extensoras dos membros, em particular nos cotovelos (94%), seguidos por joelhos (59%), inferior (29%), tórax (18%),  Pescoço (18%), palmas e dorso das mãos (6%),

O tempo médio de desaparecimento das lesões cutâneas após a adoção da dieta sem glúten foi de cerca de um mês nos pacientes matriculados, muito menor do que na DH.

Ao contrário da DH, não identificamos um padrão histológico específico: as características histológicas podem mudar durante o tempo tal como já dissemos anteriormente sobre a morfologia das lesões. Em particular, nos estágios iniciais, o infiltrado linfocítico e a espongiose podem estar presentes, enquanto nas fases posteriores a hiperqueratose e o infiltrado misto são prevalentes. No entanto, para provar isso como certo, precisamos de mais pesquisas com um maior número de pacientes.

Mesmo que em nossa pesquisa não tenhamos considerado um controle após o GFD, todos os pacientes inscritos ainda estão em acompanhamento e estão mostrando rápida resolução clínica e imunopatológica com um desaparecimento de lesões e depósitos somente após um mês de GFD.

Em resumo, na nossa experiência, muitos pacientes não celíacos com sintomas intestinais compatíveis com SGNC apresentaram dermatoses não específicas, que, em alguns casos, foram sobrepostas por morfologia e localização com a DH, manifestação da Doença Celíaca. Em outros pacientes, em vez disso, coincidiu com a aparência eczematoide ou psoriasiforme. Além disso, se uma dieta sem glúten é adotada para tratar os distúrbios intestinais, as manifestações cutâneas são resolvidas ou melhoram significativamente. Os ensaios histológicos e imunopatológicos realizados em amostras de pele excluem doenças cutâneas específicas de Doença Celíaca e os testes cutâneos de alergia excluem a sensibilização ao glúten. Assim sendo, é razoável supor que também podem aparecer manifestações cutâneas entre as manifestações extra-intestinais da SGNC ou que a sensibilidade cutãnea ao glúten  (SCG) existe e precisa ser caracterizada e este é o objetivo deste estudo. Provavelmente, o diagnóstico tardio em pacientes avaliados foi devido à falta de conhecimento dessa nova entidade clínica e suas conexões potenciais com outros sistemas, principalmente a pele.

Conclusões
No momento, os resultados de nosso estudo não permitem a caracterização exata de uma nova doença de pele relacionada à SGNC. As lesões cutâneas observadas foram semelhantes tanto ao eczema quanto à psoríase e não apresentaram padrão histológico específico. Além disso, nenhum marcador sorológico foi útil para identificar esses pacientes. Os únicos dados comuns à maioria destes doentes afetados pela SGNC associada às manifestações cutâneas não específicas são:

- Prurido;
- A presença de C3 na junção dermoepidérmica;
- ma rápida resolução de lesões ao adotar a dieta sem glúten.

No entanto, queremos salientar mais uma vez a importância de uma estreita colaboração entre gastroenterologistas e dermatologistas, pois o sistema gastrointestinal e a pele podem ser considerados cada vez mais "dois lados da mesma moeda". A caracterização exata de novas entidades clínicas como SCG e SGNC é um importante objetivo tanto para fins diagnósticos como terapêuticos, uma vez que estes são pacientes que realmente se beneficiam de uma Dieta sem Glúten e que não oaadotam apenas por causa da moda. Portanto, os dermatologistas devem estar familiarizados com as manifestações cutâneas e sintomas de distúrbios gastrointestinais. 

Finalmente, sugerimos um acompanhamento preciso de todos os pacientes que relatam intenso prurido e distúrbios gastrointestinais, mesmo quando histologia e morfologia das lesões cutâneas não identificam uma doença específica da pele. Também sugerimos a adoção de uma Dieta Isenta de Glúten por pelo menos três meses, avaliando quaisquer efeitos positivos.


ARTIGO ORIGINAL COMPLETO:

Um comentário:

  1. Estou sem glúten e sem leite e derivados desde jan2013, contudo tenho prurido no pescoço, nuca, couro cabeludo com frequência.

    ResponderExcluir