terça-feira, 30 de abril de 2013

A forma mais grave da doença celíaca pode ser "curada" apenas com dieta


30 de abril de 2013
Dra. Vikki Petersen

Por que os sintomas permanecem apesar de uma rigorosa dieta  sem glúten?


Um  novo estudo realizado por um dos meus pesquisadores favoritos, o Dr. Alessio Fasano, juntamente com uma equipe de quatro outros médicos, foi publicado recentemente pela BMC Gastroenterology -  fevereiro de 2013. O título do estudo é "o rastreio  da contaminação cruzada por glúten  pode desempenhar um papel importante na recuperação da mucosa e clínica, num subgrupo de pacientes celíacos não responsivos à dieta sem glúten ".

Este estudo é um avanço na compreensão de porque os sintomas persistem e a cura permanece inacabada, apesar de uma rigorosa dieta  sem glúten. Nós já sabíamos sobre os efeitos secundários do glúten por algum tempo, mas este estudo revela um passo adicional que deve ser abordado com  estes pacientes.

Poderia a  doença celíaca refratária ser curada apenas com dieta?

A hipótese dos pesquisadores que eles queriam resolver  é um problema conhecido como a doença celíaca não-responsiva (NRCD). Nesta condição, apesar de aderir a uma dieta livre de glúten, os pacientes continuam a ter sintomas e / ou atrofia das vilosidades (danos ao  intestino delgado compatíveis com doença celíaca clássica). Um subconjunto destes doentes têm uma condição mais grave, conhecida como doença celíaca refratária (RCD). RCD é tratada com drogas imunossupressoras, um protocolo perigoso que pode resultar em infecções com risco de vida ou aumento do risco de câncer devido à supressão do sistema imunológico. Além disso, tais medicamentos, enfraquecem a mesma parte do corpo que precisa de reforço na  doença celíaca, o sistema imunológico.

Eu considerei este estudo particularmente fascinante porque sustenta uma teoria que eu tenho há algum tempo. A de que a doença celíaca refratária e não-responsiva seja realmente muito rara, mas que muitos casos diagnosticados com estas condições são propensos a sofrer os efeitos secundários da doença celíaca, ou que eles estavam ingerindo glúten de alguma forma. Cheguei a esta conclusão com base no grande número de pacientes que temos visto aqui no HealthNow -  Departamento de Nutrição Clínica, ao longo de muitos e muitos anos. Durante todo esse tempo, raramente ocorreu um caso diagnosticado com NRCD ou RCD, que não pode ser abordado com sucesso no nosso programa. Mas, não havia nenhuma pesquisa que tivesse olhado para esta questão até agora.

Este era o objetivo dos pesquisadores:  ver se uma dieta verdadeiramente livre de glúten permitiria que os pacientes que foram anteriormente classificados com NRCD ou RCD pudessem ser reclassificados como celíacos saudáveis.

Os pacientes, 17 no total, foram colocados em uma dieta de eliminação de contaminação de glúten (GCED) - eu descrevo o que é isso abaixo. A idade média dos pacientes foi de 42 anos (pacientes variaram entre 6-73 anos). Todos os pacientes tinham sintomas antes do início da dieta e foram confirmados através de uma entrevista dietética, para estarem rigorosamente de acordo com uma dieta isenta de glúten. Eles permaneceram na dieta de eliminação de contaminação de glúten por 3 a 6 meses.

Estudo mostrou uma taxa de sucesso de 82%, 83% para doença celíaca refratária

Dos 17 pacientes, 14 "responderam" à dieta, o que foi uma taxa de sucesso de 82%. A definição de "responderam" - isso significava que o paciente não tinha outros sintomas e não apresentava mais atrofia das vilosidades (se o teste foi realizado). Em outras palavras, eles eram agora  celíacos "saudáveis".

No início do estudo, 6 pacientes foram diagnosticados e preencheram os critérios para o estado grave da doença celíaca refratária. Depois de seguir a dieta, 5 destes 6 pacientes estavam completamente livres de sintomas e não preencheram os critérios para a doença celíaca refratária. Assim, a partir desses 6, apenas 1 não respondeu. Isso significa que apenas 17% do inicial 100% diagnosticados com a doença, na verdade, parecia tê-la. Isto também significa que 83% dos pacientes eram dados imunossupressores desnecessariamente. Isso é uma grande coisa!

Também foi emocionante o fato de que 79% de todo o grupo avaliado, após o período de 3 a 6 meses seguindo a dieta, foi capaz de retornar à sua "regular" dieta livre de glúten (não restrita) e manter a sua ausdência de sintomas. Os investigadores sentiram que o período de 3 a 6 meses foi tempo suficiente para "curar" o sistema imunitário de tal modo que, a sua capacidade para tolerar alguma contaminação cruzada melhorou.

Eu gostaria de acrescentar que a avaliação desses pacientes para os efeitos secundários do glúten, incluindo infecções, desequilibrio da flora intestinal,  reação cruzada de alimentos, toxinas, deficiências nutricionais e desequilíbrio hormonal, também seriam uma boa idéia. Estou curiosa para saber quantos desses pacientes podem ter regredido novamente depois de uma passagem de nove meses ou mais. Este é um período de tempo que encontramos em nossos pacientes que ficaram bem sem glúten, mas que não foram avaliados para os efeitos secundários.

Uma  dieta de eliminação de contaminação cruzada por glúten  foi utilizada


Permitiu-se arroz integral e branco como os únicos cereais, frutas e vegetais frescos, não enlatados, congelados ou secos, ervas frescas, carnes, aves, peixes e ovos, nada processado como bacon, presunto ou salsicha. Os produtos lácteos foram eliminados no primeiro mês e depois reintroduzidos para ver se eles eram tolerados. Mas só leite ou iogurte sem sabor, sem açúcar; queijos não foram autorizados. Condimentos compostos de óleos e vinagre (excluindo vinagres aromatizados e malte), mel e sal. Bebidas permitidas foram 100% de frutas e / ou sucos de vegetais, leite (após o primeiro mês, se tolerado), água e fórmulas suplementares sem glúten. Todos os cereais para além do arroz foram proibidos.

32% de cereais sem glúten, sementes e farinhas apresentaram contaminação por Glúten

Você pode estar se perguntando porque todos os outros cereais foram excluídos. Infelizmente, eles descobriram que 32% dos testes de cereais sem glúten, sementes e farinhas tiveram  níveis de glúten acima de 20 ppm - o limite legal de um alimento sem glúten para ter no rótulo a inscrição "Livre de Glúten". Eles sentiram que a contaminação cruzada estava ocorrendo no momento da colheita, durante a moagem, processamento ou transporte -  de fato quase um terço do tempo.

Enquanto a maioria dos celíacos pode tolerar com segurança, de acordo com esses pesquisadores, cerca de 10 mg (miligramas) de contaminação por glúten diariamente (isso se traduz em 500 gramas de alimentos contendo 20 ppm de glúten), há variabilidade e muitos pacientes não podem tolerar nem baixa exposição ao glúten.

Esta é uma dieta rigorosa, mas também é muito saudável. E a boa notícia é que os pesquisadores descobriram que em 79% dos pacientes, não precisa ser mantida para além de 3 a 6 meses. Eliminar alimentos processados ​​é algo que todos poderiam se beneficiar, independentemente do seu grau  de sensibilidade ao glúten. Comer alimentos frescos, livres de produtos químicos, conservantes e, como sabemos agora, livres de contaminação por glúten, é o tipo de dieta que beneficiaria todos os americanos. Porque os 'Frankenstein' de hoje são carregados com produtos químicos que impedem a capacidade do nosso corpo para desintoxicar e tratar a inflamação. Algo que agora entendemos como o iniciador da maioria das doenças degenerativas.

A tabela com os alimentos permitidos e proibidos está abaixo. Não é exaustiva, na minha opinião, mas eu já posso ouvir os pacientes perguntando sobre o chá, café, açúcar e outros. Basicamente, a melhor maneira de interpretar essas perguntas é que, se o alimento não está listado no lado 'permitido', então está fora da dieta.

Aqui é a dieta :




Dra. Vikki Petersen, DC, CCN
Fundadora da HealthNow Medical Center

Como o glúten provoca doença celíaca


por JORDAN REASONER
http://scdlifestyle.com/2012/02/how-gluten-causes-celiac-disease/



Quando eu era criança, eu tinha medo de fantasmas.

Eu costumava deitar na cama paralisado de medo, pensando que estavam escondidos em cada canto escuro do meu quarto. Eu conseguia vencer o medo por dormir com as luzes acesas.

Nós, seres humanos tememos o que não sabemos ... e eu estava na maior parte do tempo apenas com medo do escuro.

As coisas não foram muito diferente quando eu fui diagnosticado com doença celíaca em 2007. Eu sabia que precisava fazer uma mudança  drástica na minha vida, mas eu me senti paralisado de medo. Era hora de encarar a minha doença ... ou deixá-la ficar escondida no escuro.

Eu escolhi  acender as luzes para aprender como glúten causou minha doença.

E neste artigo, vou compartilhar com você ...

Doença Celíaca desencadeia uma guerra dentro do seu corpo

A doença celíaca é uma doença autoimune. Doenças autoimunes "resultam de resposta imunitária inadequada do organismo contra substâncias e tecidos normalmente presentes no corpo." 

Eu realmente gosto dessa palavra " inadequada "... Concordo que é inapropriado que meu sistema imunológico, preparado para me proteger do mundo exterior, na verdade confunde alguma parte do meu corpo com um patógeno do mal e ataca meu tecido saudável.

Em condições normais, o sistema imunológico é projetado para nos proteger de bandidos (chamados antígenos), como toxinas, bactérias, vírus, células cancerígenas, etc. Quando esses antígenos entram em contato com o nosso corpo, o sistema imunológico está equipado para fazer a guerra e defender nosso território.

Em pessoas com doença auto-imune, o sistema imunológico fica "confuso" sobre o que é um antígeno e o que é o nosso próprio tecido corporal saudável, reconhecendo-o como uma ameaça e destruindo-o ... é um caso trágico de erro de identidade.

Então, quando as pessoas com doença celíaca ingerem alimentos que contenham glúten, o seu sistema imunitário é exclusivamente programado para reconhecer isso como uma ameaça e reagir, danificando o tecido que reveste o intestino delgado, chamado de vilosidades. É quando as coisas ficam "inapropriadas." O sistema imunológico pensa que está fazendo um bom trabalho mantendo-nos seguros, mas está destruindo nosso revestimento do intestino saudável em uma guerra nuclear.

Vilosidades minúsculas que revestem o intestino sentem o peso do ataque. Durante a operação normal, essas vilosidades minúsculas são responsáveis ​​pela absorção de nutrientes da nossa alimentação. Mas ao longo do tempo, esses longos dedos - como estruturas - são destruídos ao ponto de ficarem achatados.

A destruição das vilosidades é parecida com esta imagem:




Será que essas vilosidades achatadas podem absorver nutrientes? 
Que tal protegê-lo dos bandidos?

Porque, como se vê, você é oco por dentro

É isso mesmo ... desde a boca até o ânus - nós, os seres humanos, temos um longo tubo oco que o nosso corpo considera ser parte do "ambiente externo". E quando comemos alimentos, que estão realmente passando através de nosso corpo pelo  "lado de fora",  nós absorvemos todas as coisas boas e deixamos as coisas ruins passar para fora do outro lado.

O intestino na verdade desempenha um papel crítico na proteção do nosso corpo a partir do ambiente externo. É um funcionamento semelhante à nossa pele ... mas no interior do corpo. Como o alimento reparte-se através do processo de digestão no intestino, a barreira das pequenas vilosidades intestinais  absorvem os bons nutrientes através das células (transcelular) e nos protegem de alimentos não digeridos, toxinas e lixo alimentar. É como a nossa pele trabalha com a luz ultravioleta do sol e ao mesmo tempo nos protege do ambiente externo.

O processo de absorção:


Fonte da imagem: "Surpresas da Doença Celíaca - Dr Alessio Fasano"

Mas a doença celíaca não é uma circunstância normal. E o glúten é a principal razão para começar a desvendar as coisas com esta doença ...

O que há de tão ruim com o glúten?

As plantas são muito mais diabólicas do que eu imaginava. Você sabia que elas carregam armas de destruição em massa?

Estou falando sério ... plantas estão preocupadas com a sua sobrevivência como nós também. Elas não querem morrer, é por isso que elas têm mecanismos de defesa para protegê-las, como produtos químicos tóxicos que devem dissuadir qualquer ser vivo de comê-las.

Praticamente todos os grãos de cereais contêm  "prolaminas" tóxicas, que são as proteínas, extremamente difíceis para os humanos conseguiem digerir.  O intestino humano não está preparado para quebrar prolaminas em pequenas partes, o suficiente para absorver todos os nutrientes delas.   Estas prolaminas tóxicas dão à planta um mecanismo de proteção para a sua sobrevivência (uma vez que não podem levantar-se e fugir).

Trigo contém a proteína glúten, que abriga uma das piores prolaminas ofensoras, chamada gliadina. Pesquisadores estão mostrando que muitas partes diferentes de glúten são problemáticas, mas a gliadina tem os efeitos  tóxicos mais poderosos sobre a barreira intestinal e prejudicam severamente o revestimento do intestino ... mesmo em pessoas saudáveis. Como se vê, esses efeitos tóxicos são exponencialmente piores para as pessoas com a genética para a sensibilidade ao glúten e doença celíaca.

Vamos dar uma olhada sobre como a gliadina faz o corpo declarar guerra contra si mesmo ...

Gliadina provoca inflamação do intestino

Como eu disse, proteínas do glúten são realmente difíceis de digerir para os seres humanos saudáveis ​​(e muitos outros animais). É a predisposição genética celíaca que cria as condições necessárias para uma guerra total no intestino. Vamos dizer que você come seu pão favorito no café da manhã. Seu estômago vai reduzir o tamanho e estrutura do alimento, transformando-o em quimo, e enviá-lo junto ao intestino delgado para quebrá-lo ainda e colher os nutrientes.

No caso de proteínas do glúten (como a gliadina), elas precisam ser "quebradas" pelo corpo antes que elas sejam úteis, o que é difícil para nós, seres humanos. Com essas partículas de gliadina saltitando no intestino delgado, elas começam a causar danos (lembre-se, eles são tóxicos).

Basta ter partículas de gliadina não digeridas no intestino delgado para provocar a libertação de IL-8, provocando a inflamação da parte inicial do intestino. Estes são os primeiros tiros disparados nesta guerra sobre o tecido do intestino ...

IL-8 ativa a parte Th1 do sistema imunológico (também chamado de "sistema imune inato") e que é a primeira camada de defesa. Ela fornece um ataque como "primeira resposta" imediata à invasão de antígenos, estimulando a inflamação.

Eu gosto de pensar nisso como o corpo enviando de soldados de terra para se engajar na batalha e estabelecer um perímetro contra o inimigo invasor. O processo de lutar de volta com a inflamação começa a danificar as células que revestem o intestino delgado (enterócitos).

Mas o que acontece a seguir é um jogo...

A Gliadina foge, passando pela  barreira intestinal

Se não é o suficiente que a gliadina provoque inflamação do intestino, a gliadina também encontra uma maneira de superar nossas defesas e deslizar para trás das linhas inimigas. Lembre-se que o intestino está alinhado com células projetadas para permitir que os mocinhos entrem, mantendo os bandidos do lado de fora. Na doença celíaca acontece uma avaria grave  neste sistema de defesa quando gliadina engana o seu caminho, passando através da parede do intestino.

Pense no  revestimento do seu intestino como um muro de malha, com portas especiais para percorrer se você tem o código secreto. Os bons nutrientes e outras partículas menores podem deslizar para a direita através da tela na parede sem nenhum problema. Mas proteínas maiores não digeridas como gliadina (e outros bandidos) não podem atravessar a parede.

As portas ao longo da parede de malha são chamadas de junções, e elas são a porta de entrada entre as células do intestino (enterócitos). Estas junções são controladas por um complexo processo de sinais para manter intacto o equilíbrio de proteção e qualquer coisa que passe através destas portas se diz que  passa entre as células (paracelular). Os investigadores identificaram uma proteína chamada zonulina em seres humanos. A Zonulina é um desses sinais delicados que controlam a abertura e fechamento dessas junções  e que é em grande parte responsável por evitar a absorção de antigénios paracelulares.

Como gliadina e zonulina interagem?

Como se vê, a gliadina é programada com um código secreto que faz com que os níveis de zonulina aumentem em pessoas com a pré-disposição genética para doença celíaca. Como os níveis de zonulina sobem, as junções que protegem a integridade da barreira intestinal começam a funcionar de forma anormal, abrindo de forma mais ampla a barreira de proteção da parede do intestino. Agora, o revestimento do intestino começa a permitir que partículas grandes que não devem estar lá entrem no corpo. 

E gliadina pode fugir  do seu caminho virando  para a direita ...

Aqui está o que aparece na superfície do intestino delgado:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19634568

Quando alguém com doença celíaca ingere glúten, a gliadina não só desencadeia a inflamação do intestino, mas tem um código secreto que estimula zonulina para abrir a parede do intestino, permitindo esgueirar-se através das portas e começar a se infiltrar no corpo. Neste ponto, a gliadina pode começar a se acumular por baixo da parede do intestino, montando suas forças por trás das linhas inimigas.

Gliadina provoca permeabilidade intestinal

Recorde que o sistema imunitário já foi atingido pela gliadina fora da parede do intestino por um processo inflamatório inicial. Agora a gliadina se acumula por baixo da parede do intestino, estimulando os enterócitos para liberarem  IL-15, provocando a  piora da inflamação dentro da parede do intestino.

Eu gosto de pensar que a liberação de IL-15 é como a chamada no sistema imunológico das Forças Especiais ... o envio de linfócitos intraepiteliais (IEL) para a cena. Estes poderosos IEL começam a danificar os enterócitos por meio de um grau mais grave de inflamação e de uma contínua  guerra sangrenta.

Mas isso não é tudo ...

Os IEL não podem acabar com o acúmulo de gliadina atrás das linhas inimigas e o processo inflamatório continua a piorar. O sistema imunológico envia soldados de elite com armas ainda maiores chamadas de "mediadores inflamatórios", tais como TNF e IFN, que contribuem para o dano de mais enterócitos.

As células são danificadas mais severamente, aumenta a  permeabilidade intestinal...e logo você fica com Síndrome do Intestino Irritável. 

Agora a gliadina (e tudo mais), pode passar livremente através da parede do intestino e fazer o que quiser... 

O processo parece com isto:


Até agora, o sistema imunológico tem lutado contra a gliadina, usando Th1 ou  armas "inatas" do sistema imunológico. Como a gliadina continua a se acumular atrás da parede do intestino, ela vai começar a formar ligações cruzadas com uma enzima chamada transglutaminase tecidular (tTG), que fica liberada para reparar  os  enterócitos danificados. A reticulação desencadeia uma cascata de reação cruzada Th2, com mais uma guerra sobre os enterócitos.

A presença do novo composto "gliadina / tTG" no corpo gira sobre o Th2 ou "sistema imunitário adaptativo", que eu comparo como se fossem agentes secretos bons em rastrear, localizar e destruir o inimigo.

O sistema imune adaptativo é uma poderosa resposta imune que tem a capacidade de coordenar os ataques muito mais sofisticado, utilizando anticorpos.  Anticorpos podem reconhecer e memorizar patógenos específicos para montar ataques mais fortes a cada vez que  encontrá-los.

Quanto maior o vazamento do intestino, mais a "gliadina / tTG" torna-se presente, e mais forte será a reação cruzada imunológica. Autoimunidade acontece quando os atiradores "gliadina / anticorpos tTG"  erradamente atacam os  enterócitos, onde a tTG é produzida.

Assim, em poucas palavras: os soldados de terra estão lutando com a  gliadina fora da parede intestinal gerando inflamação; as forças especiais e de elite estão lutando com a gliadina no interior da parede do intestino gerando inflamação, e os anticorpos "atiradores" estão procurando os antígenos "gliadina / tTG" gerando inflamação ... todos os três processos conduzem à destruição dos enterócitos que revestem a parede do intestino. Com o tempo, esses ataques ficam ruins o suficiente para que eles destruam completamente as microvilosidades da mucosa intestinal, como uma cidade devastada pela guerra.

Todo o processo deixa aquelas vilosidades digitiformes totalmente planas ...


Seu corpo está em chamas

A doença celíaca se torna um ciclo vicioso autoimune quando o glúten continua na dieta: o intestino continua permeável e a gliadina vai provocando inflamação num corpo em chamas.

E a pior parte?

O sistema imunológico está em alerta vermelho, travando uma guerra nuclear com todas as armas que tem. Isto pode causar doença celíaca e  levar ao aparecimento de  mais doenças autoimunes.

Na superfície, o processo aponta o dedo ao glúten, ou, mais especificamente, à gliadina. Não faria sentido que uma estrita dieta sem glúten  poderia terminar todo o processo e quebrar o ciclo de autoimunidade. Mas  existe uma pesquisa recente que mostra que apenas cerca de 40% dos pacientes celíacos cicatrizaram completamente seu intestino delgado em uma dieta livre de glúten.

Eu aprendi essa lição da maneira mais difícil ...

Apenas  uma dieta livre de glúten não é a história toda ... e se livrar do glúten por si só não apaga o fogo.





Sobre o autor:
Jordan Reasoner é um engenheiro de saúde. Ele foi diagnosticado com a doença celíaca, em 2007, e quase perdeu a esperança quando uma dieta livre de glúten não funcionou. Desde então, ele transformou sua saúde usando a dieta SCD (Dieta dos Carboidratos Específicos) e começou "SCDLifestyle.com"  para ajudar os outros  a curar naturalmente  problemas de estômago. 

sábado, 6 de abril de 2013

10 razões para Celíacos fazerem a dieta do paleolítico

Escrito por 


Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati


Eu sou celíaca e sigo a dieta paleolítica desde o último verão. Depois da experiência desses meses, em que minha saúde e qualidade de vida tiveram uma clara melhoria, não hesito em recomendar esta dieta para todos, mas especialmente para as pessoas com a doença celíaca.

As razões pelas quais eu recomendo de olhos fechados esta dieta aos celíacos são muitas e tornariam este post muito longo, por isso me dei a tarefa de fazer um exercício de síntese e dar a esse post um formato mais informal, favorecendo a acessibilidade ao mesmos. Aqui está o meu decálogo:

10 RAZÕES PELAS QUAIS UM CELÍACO 

DEVE FAZER UMA DIETA PALEO


1. Porque a doença celíaca não é apenas um problema gastrointestinal, mas é especialmente uma desordem autoimune que afeta nossa saúde de forma global. Atualmente, há uma clara relação entre a doença celíaca e algumas doenças autoimunes, tais como hipotireoidismo de Hashimoto, dermatite herpetiforme ou deficiência de IgA. E a lista continua a se expandir.

Se seguimos uma dieta Paleo ou evolutiva, evitaremos além do glúten, outros antinutrientes chamados lectinas (diferentes de lecitinas, ok?), que geralmente são tóxicos, mas podem ser mais problemáticos para os celíacos. Lectinas são proteínas que se ligam a açúcares de uma forma muito específica. Elas estão presentes em cereais e leguminosas e, em menor grau, em solanáceas (batata, tomate, beringela, pimentão...). As plantas usam lectinas como uma barreira de proteção contra predadores.

Uma vez que as lectinas foram ligadas a um hidrato de carbono são chamadas glicoproteínas. Muitas células do nosso corpo com funções muito específicas também são glicoproteínas, tais como anticorpos e hormonios diferentes. Essas glicoproteínas de nossos corpos têm papéis importantes no reconhecimento celular. Devido à semelhança com lectinas, nossas glicoproteínas podem alterar o funcionamento de células que conduzem à inflamação do tecido e várias reações autoimunes.

A toxicidade das lectinas não se discute, mas muitas vezes não é dada a importância que deveria. Teoricamente, com imersão adequada e cozimento de alimentos que a contêm, a desnaturação ocorre. No entanto, as lectinas são muito resistentes e ainda estão presentes após a cozedura, em menor extensão.

Outro problema é que grande parte das lectinas dos cereais está concentrada no germe e na casca, de modo que, aparentemente, ao comer de forma saudável (alimentos integrais) você estará ingerindo mais lectinas.

Celíacos são especialmente vulneráveis ​​a ação de lectinas. Como nosso intestino está fragilizado e é mais permeável, lectinas podem mais facilmente passar a barreira intestinal.

Uma das lectinas mais problemáticas é a aglutinina do germe de trigo (WGA na sigla em Inglês) e sua toxicidade parece explicar alguns dos problemas que pessoas que não têm a doença celíaca apresentam quando comem trigo. Os celíacos não comem glúten, em teoria, e, portanto, não têm consomem WGA. Porém cada vez mais há produtos específicos feitos para celíacos, com amido de trigo de onde foi extraído o glúten (*obs - no Brasil não se usa esse amido de trigo). Para além de que é impossível remover todo o glúten do trigo, continuaremos a ter problemas com esse produto, devido à presença da WGA.

Em suma, estou convencida, e minha experiência pessoal me confirma isso: ao eliminar todos os grãos e leguminosas da dieta e reduzir o consumo de alguns vegetais como batatas, irá produzir uma melhora geral na saúde em pacientes celíacos.

2. Porque numa dieta paleolítica os níveis hormonais são equilibrados, o que resulta numa melhoria da saúde geral.

Os alimentos ricos em carboidratos simples (como grãos, com ou sem glúten) causam picos de glicose e o corpo combate com picos de insulina. Isso acaba gerando um ciclo de ação e reação que, eventualmente, faz com que o corpo se torne resistente à insulina, de modo que cada vez irá precisar de uma quantidade maior de insulina para produzir o mesmo efeito. Isto eventualmente esgota o pâncreas que está sendo forçado a fazer trabalho excessivo. Mas mesmo antes do pâncreas ser afetado, o seu corpo vai sentir a devastação dos altos e baixos causados ​​pela ingestão contínua de glicose e picos de insulina subseqüente. Altos níveis de insulina acabam por interferir com outros hormônios. Como o equilíbrio hormonal é alterado, outros sistemas do corpo estão fora de equilíbrio, como o mecanismo que nos faz sentir saciado pelos hormônios grelina e leptina. É o prelúdio, entre outros problemas, da obesidade.

3. Porque os grãos são ricos em fitatos (ácido fítico), um composto de ação quelante. Isto significa que tem um grande efeito "sequestrante" de minerais como o ferro, o magnésio, o cálcio... Isto significa que, por exemplo, alguns cereais ou leguminosas são ricos em ferro e devido à presença de fitatos, nosso organismo não é capaz de absorve-los. Além do que, a planta tem uma baixa biodisponibilidade do ferro, ao contrário do que acontece com o ferro heme (animal). Fitatos também dificultam a absorção de ferro em outros alimentos que comemos junto com eles, mesmo os alimentos de origem animal.

Se ainda não ficou claro, vou dar um exemplo que conheço bem: EU. Sempre tive anemia. Eu fui diagnosticada com doença celíaca quando os médicos estavam buscavam em meu intestino uma úlcera, que tinha que sangrar para justificar os meus níveis de ferro alarmantemente baixos e anemia conseqüente. Após o diagnóstico de doença celíaca fiquei melhor, mas os meus níveis de ferro continuaram sempre baixos, de modo que, ocasionalmente, tinha que tomar suplementos. Bem, isso mudou desde que eu assumi uma dieta paleolítica. O exame de sangue na última vez que fiz, depois de 7 meses de dieta paleolítica, sem tomar suplementos, mostraram níveis de ferro bem altos, pela primeira vez na minha vida. Eu não podia acreditar. 

4. Porque com esta dieta você voltará a sentir o que é ter fome e sede de verdade. Ao não estar mais submetido à tirania do ciclo glicose-insulina, você não terá mais aquela necessidade de comer no meio da manhã ou da tarde, não terá aquela urgência de comer alguma coisa, seja o que for, doce de preferência. Você deixará de ter essa ânsia e passará a comer quando estiver com fome de verdade. A sensação de satisfação ao saciar sua fome não tem nada a ver com a satisfação de tais desejos causados ​​por crises que nos obrigam a comer, mesmo com o estômago cheio e ainda trabalhando.

Com a sede se passa algo parecido. Muitas pesssoas dizem que não bebem água porque não tem sede. Deixariam de dizer isso se durante um dia deixassem de beber a qualquer hora refrigerantes, sucos, leite, cerveja... Satifazer a sede com água é uma das coisas mais satisfatórias que existe, porém nós perdemos essa sensação.

5. Porque uma dieta paleo é naturalmente livre de glúten. Com esta dieta podemos esquecer os traços e contaminação cruzada por glúten. 

Limitar os alimentos processados ​​a um mínimo, aumenta a segurança do que nós comemos. No meu caso eu parei de confiar em listas de alimentos e confiar cegamente no que os rótulos dizem. Agora, por exemplo, eu não como mais kani sem glúten ou palitos de surimi: como diretamente o peixe e cozinho-o de mil maneiras possíveis.

6. Porque como celíacos melhoramos com a dieta livre de glúten, mas nem tanto. Sei que isto pode ser difícil de acreditar, mas basta experimentar para notar a diferença.

Adultos celíacos diagnosticados chegam à dieta isenta de glúten após graves problemas de saúde. Com a dieta vemos uma melhora, e na maioria dos casos, quando percebemos isso, pensamos que é o melhor que podemos obter. Mas isso é falso. Se formos mais adiante, veremos melhoras de outros problemas, alguns dos quais que ainda nem tínhamos identificado como problemas. Cada caso é diferente, mas a minha melhora resultou em uma clara redução da frequência e intensidade das minhas enxaquecas (eu não tomei mais analgésico desde que eu faço essa dieta), aumento da energia física e capacidade concentração mental, resfriados não são mais uma ocorrência diária, durmo melhor, minha digestão melhorou ... a lista poderia continuar em expansão, mas eu acho que é o suficiente.

7. Porque comer produtos sem glúten projetados especificamente para celíacos é abusar de produtos industrializados ricos em carboidratos refinados, com um alto índice glicêmico. Isto nos fará mais suscetíveis a todas as doenças que compõem a síndrome metabólica: diabetes tipo 2 , obesidade, triglicérides alto ...

Além disso, os produtos específicos para celíacos têm um certo número de aditivos que não é necessário nos produtos com glúten. Estas gomas vegetais tais como a goma xantana ou carboximetilcelulose (CMC) podem causar problemas digestivos no intestino fragilizado dos celíacos. No meu caso eles provocavam problemas, mas eu precisei parar de come-los para descobrir.

8. Porque pagar pela farinha de arroz e amido de milho o preço de uma iguaria rara me parece abuso. Pode ser um exagero, mas basicamente é isso que fazemos quando vamos comprar pão sem glúten ou biscoitos, etc. Temos de pagar por um produto muito barato um preço exagerado para termos a garantia de que o produto é realmente livre de glúten . Estou cansada de pagar esse preço para um alimento que do ponto de vista nutricional, pode ser considerado basicamente energia vazia.

9. Porque há numerosos estudos científicos sérios, cujos resultados sugerem que este tipo de dieta traz benefícios claros para a saúde. Alguns desses estudos foram feitos a partir de uma perspectiva evolucionária, mas na aplicação desta dieta para humano moderno têm sido ​​observados resultados favoráveis.

10. Porque, por que não tentar? Nós celíacos já fomos forçados a desistir de pães, biscoitos e doces "normais". Essa renúncia foi difícil para todos nós, mas já que fizemos, o que perderemos em ir um pouco mais e tentar por um mês? Para nós, não custará muito e se trata da melhora de nossa saúde.

Em suma, o que proponho a partir deste ponto para quem procura por uma melhora na sua saúde e, especificamente os celíacos, que realizem o salto conceitual envolvido que é passar por cima do paradigma dominante que diz que os cereais são a base da nossa alimentação. Se trata de uma volta às origens, com uma proposta que envolve comer novamente como os seres humanos ancestrais que ainda não tinham começado a processar os alimentos (lembre-se de que o pão é cereal altamente processado​​).

MINHA PROPOSTA


A proposta é simples. Eliminar por um mês todos os alimentos suspeitos de produzir algum problema e, em seguida, introduzir individualmente alguns deles e ver se você vai se sentir bem ou não.

Os suspeitos são, basicamente: leite, cereais, leguminosas, vegetais amiláceos, açúcar e todos os alimentos processados. Por que esses alimentos? Porque do ponto de vista evolutivo estes são os alimentos que estão há menos tempo com a gente e nós não nos adaptamos a eles de um modo completo e, portanto, podem causar mais problemas de saúde. Isso é assim de um modo geral, mas há diferenças individuais ou em alguns grupos populacionais.

Se você é uma pessoa tão cética como eu, esses argumentos não serão suficientes para convencê-lo, mas é um começo. Eu precisei de mais de 13 anos para me permitir ir além da dieta sem glúten, embora logo após o meu diagnóstico tivesse tido contato com celíacos que preferiram dispensar os outros cereais, alegando terem melhorado sua saúde. 

Fonte:
http://corrersingluten.blogspot.com.br/2013/03/10-motivos-por-los-que-los-celiacos.html